Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.348,80
    -3.131,73 (-2,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.892,28
    -178,63 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,04
    -1,53 (-2,86%)
     
  • OURO

    1.827,70
    -23,70 (-1,28%)
     
  • BTC-USD

    36.601,26
    +495,41 (+1,37%)
     
  • CMC Crypto 200

    701,93
    -33,21 (-4,52%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,26 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.735,71
    -66,25 (-0,97%)
     
  • HANG SENG

    28.573,86
    +77,00 (+0,27%)
     
  • NIKKEI

    28.519,18
    -179,08 (-0,62%)
     
  • NASDAQ

    12.759,00
    -142,00 (-1,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3926
    +0,0791 (+1,25%)
     

Influenciador troca arquivos entre iPhone e disco de armazenamento dos anos 90

Wagner Wakka

Niles Mitchell é um entusiasta de tecnologia que adora ligar aparelhos antigos a iPhones e outros dispositivos da Apple. Ele já usou um teclado e mouse clássicos do primeiro Macintosh para navegar no iPhone 11. Agora, lançou para si mesmo mais um desafio: usar um disco Clik! da Iomega para acessar arquivos no smartphone da Maçã.

Este formato de armazenamento é um dos que não sobreviveu à quantidade de opções da década de 90. Tratava-se de um pequeno disco envolto em uma caixa que resguardava perto de 70% dele. A peça era capaz de armazenar 40 megabytes o que, para a época, era maior que a maioria dos discos mais comuns. Outra vantagem é que ele era também bem menor, ajudando na hora de fazer as transferências.

Voltando ao vídeo, Mitchell usou um conector que, segundo ele, é bem raro de encontrar em lojas de colecionadores. Ele é capaz de ler um drive dentro do qual se insere o Click! para então enviar os arquivos para uma saída em USB. Usando este componente e outro adaptador para o iPhone, Mitchell conseguiu transferir fotos, música e até mesmo PDF entre os espaços de armazenamento do smartphone e periférico.

Tal ligação tem lá grande funcionalidade para além de recuperar dados que podem estar esquecidos em discos Click! em casa. Contudo, um dos problemas deste tipo de disco era exatamente o quão frágeis eles poderiam se mostrar. Como o disco fica bastante tempo exposto, qualquer sujeira acaba por corromper a leitura e os arquivos eram perdidos.

Ainda, como história, o nome Click! também não bem-visto. Isso porque a peça fazia um certo som quando se corrompia, o que foi chamado de “clique da morte”, em brincadeira com a marca Click! do acessório.

Após o sucesso, Mitchell disse ter se empolgado em fazer mais vídeos da sua série “Will it work? ”, ("Será que funciona?”, em tradução livre). “Eu ainda tenho dois vídeos até o final do ano e tenho planos bem maiores para 2020”, disse no fim da sua explicação.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: