Mercado fechará em 3 h 19 min
  • BOVESPA

    129.633,41
    -574,55 (-0,44%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.918,79
    -110,75 (-0,22%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,79
    +0,91 (+1,28%)
     
  • OURO

    1.855,00
    -10,90 (-0,58%)
     
  • BTC-USD

    40.193,75
    +243,93 (+0,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.001,51
    -9,09 (-0,90%)
     
  • S&P500

    4.245,85
    -9,30 (-0,22%)
     
  • DOW JONES

    34.263,77
    -129,98 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.172,48
    +25,80 (+0,36%)
     
  • HANG SENG

    28.638,53
    -203,60 (-0,71%)
     
  • NIKKEI

    29.441,30
    +279,50 (+0,96%)
     
  • NASDAQ

    14.067,75
    -57,00 (-0,40%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1615
    +0,0300 (+0,49%)
     

Influenciado por exterior, dólar fecha no maior valor em duas semanas

·1 minuto de leitura

Influenciado pelo retorno do pessimismo no exterior, o dólar superou a barreira de R$ 5,35 e encerrou esta sexta-feira (21) no maior valor em duas semanas. A bolsa de valores teve forte queda durante quase todo o dia, mas recuperou-se perto do fim da sessão e fechou próxima da estabilidade, com pequeno recuo.

O dólar comercial fechou o dia vendido a R$ 5,353, com alta de R$ 0,076 (+1,44%), no maior nível desde 5 de maio (R$ 5,365). A cotação subiu durante quase toda a sessão e encerrou próxima da máxima do dia.

Essa foi a segunda semana consecutiva de valorização da moeda norte-americana. A divisa subiu 1,58% na semana, mas acumula queda de 1,4% em maio. Em 2021, o dólar acumula alta de 3,16%.

No mercado de ações, o dia também foi marcado pelo pessimismo. O índice Ibovespa, da B3, encerrou a sexta-feira aos 122.592 pontos, com pequeno recuo de 0,09%. Apesar da volatilidade nos últimos dias, o indicador acumulou alta de 0,55% na semana.

Após um dia de trégua internacional, o mercado financeiro global voltou a ser afetado nesta sexta-feira pelos receios de que o Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano) retire os estímulos concedidos durante a pandemia de covid-19 e comece a aumentar os juros da maior economia do planeta em 2022. Juros mais altos em economias avançadas pressionam países emergentes, como o Brasil.

* Com informações da Reuters