Mercado abrirá em 3 h 47 min
  • BOVESPA

    108.651,05
    +248,77 (+0,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.241,81
    -113,05 (-0,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    89,99
    -0,51 (-0,56%)
     
  • OURO

    1.808,00
    -4,30 (-0,24%)
     
  • BTC-USD

    23.106,60
    -703,66 (-2,96%)
     
  • CMC Crypto 200

    537,35
    -20,00 (-3,59%)
     
  • S&P500

    4.122,47
    -17,59 (-0,42%)
     
  • DOW JONES

    32.774,41
    -58,13 (-0,18%)
     
  • FTSE

    7.489,65
    +1,50 (+0,02%)
     
  • HANG SENG

    19.610,84
    -392,60 (-1,96%)
     
  • NIKKEI

    27.819,33
    -180,63 (-0,65%)
     
  • NASDAQ

    13.091,00
    +59,50 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2525
    +0,0198 (+0,38%)
     

Inflação na Argentina faz iPhone custar mais de R$ 42 mil

Há cerca de 20 anos, 1 milhão de pesos na Argentina, equivalia a US$ 1 milhão (Getty Creative)
Há cerca de 20 anos, 1 milhão de pesos na Argentina, equivalia a US$ 1 milhão (Getty Creative)
  • iPhone 13 Pro Max 256 GB Grafite está custando 1.007.149 pesos

  • Argentinos estão fazendo poupança utilizando a moeda nacional da Bolívia

  • Nova lei que restringe o acesso ao dólar fez com que a Bolivianos fosse procurada para manter sua paridade com a moeda americana

A inflação na Argentina segue em descontrole. Segundo informações da Agência O Globo, um iPhone 13 Pro Max 256 GB Grafite, lançado pela Apple em setembro do ano passado, está custando 1.007.149 pesos (o equivalente a R$ 42,6 mil) na plataforma da única empresa de eletrônicos que tem o aparelho em estoque.

A reportagem levantou ainda que até a manhã desta segunda-feira, o aparelho era oferecido a 724.999 pesos (apenas uma unidade à venda) no Mercado Livre. Na Amazon, com entrega na Argentina, saía a US$ 989. "Há cerca de 20 anos, 1 milhão de pesos na Argentina — em plena Conversibilidade — equivalia a US$ 1 milhão", diz o texto.

A crise é tanta que argentinos estão fazendo poupança utilizando a moeda nacional da Bolívia, a Bolivianos, em especial aqueles das regiões mais ao norte do país, como La Quiaca, segundo uma reportagem da Bloomberg.

Desde a posse do presidente Luis Arce, a política econômica e monetária da Bolívia tem trazido bons resultados. Hoje em dia o país apresenta a menor inflação da região. A inflação acumulada em 2021 foi de apenas 0,51%, de acordo com um relatório do Fundo Monetário Internacional.

Leia também

Já na Argentina, a inflação anual atingiu 50,9% em 2021, o que forçou muitas pessoas a utilizarem outras moedas como depósito de valor, o que acarreta em uma desvalorização ainda maior do peso argentino.

Nos últimos anos foram vistas inúmeras tentativas por parte da população argentina de realizar estoques de dólares americanos, ouro, e até mesmo de criptomoedas. Entretanto, uma nova lei que restringe o acesso ao dólar fez com que a Bolivianos fosse procurada para manter sua paridade com a moeda americana durante os anos. Em 2017 a moeda boliviana equivalia a 6,81 dólares. Hoje a taxa de câmbio é de 6,87.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos