Mercado abrirá em 20 mins
  • BOVESPA

    100.591,41
    -172,59 (-0,17%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.435,45
    +140,65 (+0,29%)
     
  • PETROLEO CRU

    113,37
    +1,61 (+1,44%)
     
  • OURO

    1.828,70
    +7,50 (+0,41%)
     
  • BTC-USD

    20.029,20
    -981,72 (-4,67%)
     
  • CMC Crypto 200

    432,04
    -18,02 (-4,00%)
     
  • S&P500

    3.821,55
    -78,56 (-2,01%)
     
  • DOW JONES

    30.946,99
    -491,31 (-1,56%)
     
  • FTSE

    7.321,15
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    21.996,89
    -422,08 (-1,88%)
     
  • NIKKEI

    26.804,60
    -244,87 (-0,91%)
     
  • NASDAQ

    11.680,50
    +6,25 (+0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5073
    -0,0368 (-0,66%)
     

Inflação: carne, leite e óleo ficam de fora do carrinho de compras do brasileiro

Alta da inflação tira carne, leite e óleo da cesta básica do brasileiro. Foto: Getty Images.
Alta da inflação tira carne, leite e óleo da cesta básica do brasileiro. Foto: Getty Images.
  • Itens como carne, leite e óleo estão menos presentes no carrinho de supermercado do brasileiro em comparação há um ano;

  • No mês passado, o leite estava em 14,2% dos carrinhos de supermercado, contra 15,9% de abril de 2021;

  • Em um ano, a porcentagem de brasileiros que compravam óleo foi de 7,1% para 6%, enquanto a compra de carne passou de 5,9% para 5,3%.

Nos últimos 12 meses, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) acumulou alta de 12,13%. Com esse número sentido no bolso, consumidores vêm sendo obrigados a deixar de comprar produtos básicos, como carne de boi, leite longa vida e óleo, de acordo com levantamento da empresa de inteligência de mercado Horus.

Leia também:

Com a análise de 35 milhões de notas fiscais pelo Brasil, a Horus averiguou que no mês passado o leite era comprado por 14,2% da população. Na mesma data no ano passado, a incidência de compra era de 15,9%, ou seja, 1,7 % maior.

Durante esse período, o valor médio do litro foi de R$ 4,29 a R$ 7,25, representando um crescimento de 69% em 12 meses.

O óleo e a carne bovina enfrentam uma situação similar: o primeiro teve incidência de compra diminuída de 7,1% para 6%, enquanto o segundo passou de 5,9% para 5,3%. Ambos representam um decaimento no período de um ano.

Durante esse tempo, o preço médio do litro de óleo pulou de R$ 9,60 para R$ 16,81; já o quilo de carne foi de R$ 29,66 para R$ 31,47.

*As informações são do Portal UOL.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos