Mercado abrirá em 2 h 20 min
  • BOVESPA

    109.068,55
    -1.120,02 (-1,02%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.725,96
    -294,69 (-0,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,73
    +0,72 (+1,00%)
     
  • OURO

    1.795,10
    -2,90 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    16.830,35
    +4,81 (+0,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    395,19
    -6,84 (-1,70%)
     
  • S&P500

    3.933,92
    -7,34 (-0,19%)
     
  • DOW JONES

    33.597,92
    +1,58 (+0,00%)
     
  • FTSE

    7.485,94
    -3,25 (-0,04%)
     
  • HANG SENG

    19.450,23
    +635,41 (+3,38%)
     
  • NIKKEI

    27.574,43
    -111,97 (-0,40%)
     
  • NASDAQ

    11.533,00
    +23,50 (+0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4745
    +0,0081 (+0,15%)
     

Inflação turca atinge máxima em 24 anos de 83% em setembro após cortes na taxa de juros

Loja em Istambul, Turquia

ISTAMBUL (Reuters) - A inflação anual turca subiu para uma nova máxima de 24 anos de 83,45% em setembro, de acordo com dados oficiais divulgados nesta segunda-feira, depois que o banco central surpreendeu os mercados cortando os juros duas vezes nos últimos dois meses.

A inflação aumentou desde o outono do ano passado, quando a lira caiu depois que o banco central cortou gradualmente sua taxa básica de juros em um ciclo de flexibilização pouco ortodoxo defendido pelo presidente Tayyip Erdogan.

Na comparação mensal, os preços ao consumidor subiram 3,08%, disse o Instituto de Estatística da Turquia, contra expectativa em pesquisa da Reuters de 3,8%. Na base anual, a expectativa era de uma alta de 84,63%.

Essa foi a leitura anual mais alta desde julho de 1998, quando ficou em 85,3% e a Turquia lutava para acabar com uma década de inflação cronicamente alta.

A inflação de setembro foi impulsionada pelos preços dos transportes, que dispararam quase 118% na base anual, enquanto os preços dos alimentos e bebidas não alcoólicas aumentaram 93,05%.

O banco central cortou sua taxa básica novamente em 200 pontos-base, para 12%, nos últimos dois meses, indo contra um ciclo global de aperto monetário apesar do aumento sustentado da inflação, alta dos preços da energia e o efeito defasado do declínio da lira.

(Reportagem de Berna Suleymanoglu e Halilcan Soran)