Mercado fechará em 3 h 7 min
  • BOVESPA

    110.243,08
    +102,44 (+0,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.754,35
    -120,56 (-0,22%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,96
    +2,08 (+2,74%)
     
  • OURO

    1.889,20
    -41,60 (-2,15%)
     
  • BTC-USD

    23.673,34
    -115,28 (-0,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    541,28
    +4,43 (+0,82%)
     
  • S&P500

    4.170,31
    -9,45 (-0,23%)
     
  • DOW JONES

    34.073,59
    +19,65 (+0,06%)
     
  • FTSE

    7.899,17
    +79,01 (+1,01%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.846,25
    -0,50 (-0,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5604
    +0,0707 (+1,29%)
     

Inflação superou os 300% na Venezuela em 2022, segundo estimativas privadas

A inflação superou os 300% na Venezuela em 2022, segundo estimativas divulgadas nesta quinta-feira (5) por organizações privadas, referências devido à falta de dados oficiais.

A ONG Centro de Difusão do Conhecimento Econômico (Cedice) estimou uma inflação acumulada de 310,33% no ano passado, com o setor de alimentos entre os mais afetados, com altas nos preços que chegaram a 332,43%.

A Cedice informou, ainda, um aumento do custo de vida em dólares de 27,01% ao longo do ano passado, consequência de a inflação ter superado a desvalorização da combalida moeda local, o bolívar, em relação à moeda americana.

O dólar é predominante nas ruas da Venezuela desde 2019, depois que o governo do presidente Nicolás Maduro flexibilizou o controle do câmbio, que proibiu sua circulação durante 15 anos.

O Observatório Venezuelano das Finanças (OVF), centro de análise vinculado à oposição, também anunciou sua estimativa de inflação acumulada em 2022, situando-a em 305,7%.

Depois de um longo ciclo hiperinflacionário, em meio a uma profunda crise em que sua economia encolheu 80% entre 2014 e 2021, o país viveu uma desaceleração no ritmo do aumento dos preços.

No entanto, continua sofrendo com uma das inflações mais altas do mundo.

O Banco Central (BCV) informou que a inflação em 2021 foi de 686,4%. Em seu último boletim oficial, o BCV, calculou em 119,4% a inflação acumulada em 2022 entre janeiro e outubro, e a interanual entre outubro de 2021 e outubro de 2022 em 155,8%.

erc/jt/yow/mvv/am