Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,54 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,81
    +0,19 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.812,50
    -18,70 (-1,02%)
     
  • BTC-USD

    41.466,51
    +2.420,70 (+6,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    955,03
    +5,13 (+0,54%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,06 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.032,30
    -46,12 (-0,65%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,29 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.966,50
    -71,25 (-0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1880
    +0,1475 (+2,44%)
     

Inflação sobe 0,53% em junho e alcança 8,35% em 12 meses

·6 minuto de leitura
*ARQUIVO* São Paulo, SP, Brasil, 08-02-2019: Still Mercado. Calculadora cinentífica. (foto Gabriel Cabral/Folhapress)
*ARQUIVO* São Paulo, SP, Brasil, 08-02-2019: Still Mercado. Calculadora cinentífica. (foto Gabriel Cabral/Folhapress)

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Puxado pela energia elétrica, o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) teve variação de 0,53% em junho. O resultado ocorreu após avanço de 0,83% em maio, informou o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta quinta-feira (8).

O IPCA é o indicador oficial de inflação do país. A variação veio em nível abaixo do esperado pelo mercado. Analistas consultados pela agência Bloomberg projetavam alta de 0,59% no sexto mês do ano.

Mesmo com a desaceleração em junho, o IPCA chegou a 8,35% no acumulado de 12 meses. Ou seja, ampliou a distância em relação ao teto da meta de inflação perseguida pelo BC (Banco Central). No acumulado até maio, a variação estava em 8,06%.

Em 2021, o teto da meta de inflação em 12 meses é de 5,25%. O centro é de 3,75%.

O resultado de junho (0,53%) é o maior para o mês desde 2018 (1,26%). À época, o Brasil vivia os reflexos da greve dos caminhoneiros. A variação em 12 meses (8,35%) é a mais robusta desde setembro de 2016 (8,48%), quando o país passava por recessão.

Dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados, oito tiveram alta em junho, conforme o IBGE. O maior impacto (0,17 ponto percentual) foi de habitação. O grupo subiu 1,1%, principalmente por causa da energia elétrica (1,95%).

Embora tenha desacelerado em relação ao mês anterior (5,37%), a conta de luz teve o maior peso individual no índice de junho (0,09 p.p.). O segundo impacto individual foi da gasolina (0,04 p.p.). O combustível avançou 0,69% em junho, após alta de 2,87% em maio.

“A energia continuou subindo muito por conta da bandeira tarifária vermelha patamar 2, que passou a vigorar em junho e acrescenta R$ 6,243 à conta de luz a cada 100 quilowatts-hora consumidos. Em maio, estava em vigor a bandeira vermelha patamar 1, cujo acréscimo é menor (R$ 4,169). Os preços, porém, desaceleraram em junho devido aos diversos reajustes captados em maio nas áreas pesquisadas. Em junho, tivemos apenas o reajuste médio de 8,97%, em Curitiba, no fim do mês”, afirma André Filipe Guedes Almeida, analista da pesquisa do IBGE.

Conforme Almeida, não foi possível observar efeito da demanda aquecida sobre os preços.

“Quando a gente fala de demanda, geralmente olha para inflação de serviços, que ainda está abaixo do índice geral. Não dá para afirmar categoricamente que temos uma inflação de demanda. É óbvio que a retomada da economia e a melhora no contexto da pandemia podem influenciar [nos próximos meses]”, relatou.

Almeida reforçou que os preços administrados têm provocado recente aumento da inflação. Esse grupo inclui energia e combustíveis.

Em 12 meses até junho, os administrados subiram 12,99%, conforme o IBGE. Enquanto isso, a cesta de serviços avançou 2,24%.

O IPCA ganhou corpo ao longo da pandemia. Em um primeiro momento, houve disparada de preços de alimentos e, em seguida, avanço de combustíveis. Alta do dólar e avanço das commodities ajudam a explicar o comportamento dos preços.

Não bastasse essa combinação, a crise hídrica também passou a ameaçar o controle da inflação. É que a escassez de chuva eleva os custos de geração de energia elétrica no país. O reflexo é a conta de luz mais cara nos lares dos brasileiros.

Além de pesar no orçamento das famílias, a alta nas tarifas de energia também eleva os custos de operação de empresas, que podem repassar parte do impacto para os produtos finais. A situação ocorre no momento em que o consumo é desafiado pelo desemprego em nível recorde no Brasil.

A variação mensal do IPCA ficou abaixo das projeções do mercado em junho, mas o indicador tende a acelerar novamente na largada do segundo semestre, projetam analistas.

É que, nesta semana, a Petrobras já confirmou aumentos em gasolina, óleo diesel e gás de cozinha. Além disso, a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) promoveu novo reajuste nas contas de luz, válido a partir de julho.

Outra ameaça aos preços vem da recente escalada do dólar. Ao longo da sessão desta quinta-feira (8), a moeda americana chegou a encostar em R$ 5,31.

“Houve um alívio no IPCA em junho, mas isso deve evaporar ali na frente. Vale lembrar que o câmbio bateu R$ 5,30. Se o real continuar perdendo força, vai reforçar uma percepção pior para a inflação”, frisa André Perfeito, economista-chefe da Necton Investimentos.

Diante do quadro, analistas têm revisado projeções para o acumulado ao final de 2021. A estimativa do Itaú Unibanco, por exemplo, passou de 5,6% para 6,1%, acima do teto da meta. A atualização foi confirmada em relatório divulgado pela instituição nesta quinta-feira.

Júlia Passabom, economista do Itaú Unibanco, sublinha que a conta de luz e os combustíveis mais caros tendem a pressionar o resultado de julho. Segundo ela, o IPCA deve variar na faixa de 0,80% neste mês.

Entretanto, ao longo do semestre, há possibilidade de trégua nos preços de commodities, com a normalização de cadeias produtivas, aponta a analista. Assim, o IPCA perderia força no acumulado do ano, mas sem retornar para o intervalo dentro da meta.

“A gente vê uma inflação de curto prazo pressionada. Teve reajustes na Petrobras, a Aneel definiu novo patamar nas contas de energia. Isso vai bater em julho”, diz a economista.

Conforme a edição mais recente do boletim Focus, divulgada pelo BC (Banco Central) na segunda-feira (5), analistas do mercado financeiro projetam IPCA de 6,07% ao final de 2021. A previsão da semana anterior era de 5,97%. Foi a 13ª alta seguida.

A inflação acima da meta acaba pressionando o BC, que aumentou a taxa básica de juros, a Selic. Em junho, o Copom (Comitê de Política Monetária do Banco Central) confirmou elevação de 0,75 ponto percentual na Selic.

Assim, a taxa alcançou 4,25% ao ano. Em junho, o Copom também sinalizou nova alta de no mínimo 0,75 ponto percentual em seu próximo encontro, agendado para agosto.

Segundo a última edição do Focus, o mercado aposta na Selic em 6,5% ao final de 2021, mesmo patamar estimado na pesquisa anterior.

Perfeito prevê uma alta de 1 ponto percentual na Selic já na próxima reunião do Copom. Ou seja, o comitê aceleraria o aperto monetário para tentar frear a inflação.

“O que pode levar a um aumento de 1 ponto percentual, e não de 0,75, é se as expectativas de inflação continuarem sendo revisadas para cima, tanto para 2021, quanto para 2022”, afirma Camila Abdelmalack, economista-chefe na Veedha Investimentos.

“Um dos focos agora é a questão da taxa de câmbio. Como o cenário político piorou, traz uma pressão no dólar”, acrescenta Camila.

Ao mesmo tempo em que busca frear o aumento de preços, a alta na Selic encarece empréstimos para empresas e consumidores. É que a taxa serve como referência para linhas de crédito oferecidas no país.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos