Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.910,10
    -701,55 (-0,62%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.661,86
    +195,84 (+0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,29
    +0,68 (+0,79%)
     
  • OURO

    1.792,30
    -2,70 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    37.588,32
    +796,71 (+2,17%)
     
  • CMC Crypto 200

    863,83
    +21,37 (+2,54%)
     
  • S&P500

    4.431,85
    +105,34 (+2,43%)
     
  • DOW JONES

    34.725,47
    +564,69 (+1,65%)
     
  • FTSE

    7.466,07
    -88,24 (-1,17%)
     
  • HANG SENG

    23.550,08
    -256,92 (-1,08%)
     
  • NIKKEI

    26.717,34
    +547,04 (+2,09%)
     
  • NASDAQ

    14.430,25
    +443,50 (+3,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9813
    -0,0427 (-0,71%)
     

Inflação pode resistir com maior poder de mercado das empresas

·4 min de leitura

(Bloomberg) -- Economistas rejeitam amplamente os esforços do governo do presidente americano Joe Biden de culpar em parte as grandes empresas, que estão aumentando os lucros, pela aceleração da inflação. Alguns deles, no entanto, alertam que essas companhias ainda podem manter os preços mais altos por mais tempo.

A inflação subiu 7% nos EUA em 2021, o avanço mais rápido em 39 anos, de acordo com dados do governo divulgados esta semana. Os analistas geralmente concordam com a causa: estímulos fiscais e monetários maciços que aumentaram a demanda, juntamente com interrupções na oferta e mudanças gigantescas no mercado de trabalho desencadeadas pela pandemia – em vez de decisões de preços das grandes empresas.

Eles também concordam que as interrupções diminuirão ao longo do ano, devolvendo a inflação mais próxima de seu ritmo habitual, pré-Covid, da ordem de 2%.

No entanto, há riscos de que os ganhos de preços possam se manter, dizem alguns economistas. Uma razão é que a consolidação corporativa se acelerou nas últimas duas décadas, deixando cada vez mais indústrias controladas por empresas dominantes.

Quanto mais controle uma empresa tem em um setor, mais espaço ela tem para aumentar os preços e engordar seus lucros. A preocupação de alguns é que, em momentos de ruptura econômica geral, as empresas dominantes possam exacerbar os picos de preços e causar mais problemas aos consumidores americanos.

“O índice de inflação atual reflete isso apenas na margem, mas a contribuição vai crescer ao longo do tempo à medida que as empresas com poder de mercado se sentirem cada vez mais à vontade para aumentar os preços”, disse Jeffrey Meli, chefe global de pesquisa do Barclays Plc e autor de um recente relatório sobre o impacto do Covid-19 no poder de mercado.

Antes da pandemia, a ascensão de empresas dominantes preocupava economistas e formuladores de políticas na medida em que a concorrência fraca estava contribuindo para outros problemas, como crescente desigualdade, queda no dinamismo dos negócios e declínio no poder dos trabalhadores e na participação na renda. Agora, um medo emergente é que empresas com poder de mercado estejam exacerbando a inflação impulsionada por distorções na cadeia de suprimentos causadas pelo Covid-19.

Veja o caso de Coca-Cola Co. e PepsiCo Inc., que aumentaram os preços com poucos dias de diferença em julho e, posteriormente, registraram margens substanciais. Ou a indústria frigorífica, onde Biden está tentando limitar o poder de conglomerados como JBS SA e Tyson Foods Inc. O preço da carne subiu quase 15% no ano passado.

Outros argumentam que a ligação entre os aumentos de preços e o domínio do mercado é fraca. A concentração nas indústrias norte-americanas tem aumentado de forma constante desde cerca de 2000, mas a inflação tem sido consistentemente baixa nesse período.

Outro contraponto é que, ao desmembrar gigantes da indústria, autoridades antitruste correm o risco de desfazer eficiências de mercado que ajudam a manter os preços baixos. E quando há apenas alguns empregadores na cidade, os trabalhadores têm menos oportunidade de barganhar por salários mais altos, outra força desinflacionária.

Lucros Crescentes

Lucros crescentes em algumas empresas mostram como os aumentos de preços estão contribuindo para margens mais altas. Três meses depois de terem aumentado os preços para compensar os custos mais altos de insumos, a PepsiCo registrou mais de US$ 3 bilhões em lucros operacionais e a Coca-Cola divulgou 28% de margem de lucro. Ambos disseram desde que eles vão prosseguir com os aumentar os preços.

Um representante da Coca-Cola disse que a empresa ajusta seus preços para equilibrar “premiunização e acessibilidade”, enquanto a PepsiCo não quis comentar.

A administração Biden muitas vezes aponta os dedos para os gigantes do processamento de carne Tyson e JBS, dizendo que se os aumentos de preços fossem resultado de custos crescentes, as margens de lucro estariam estáveis. Ambos relataram margens brutas de cerca de 20% no quarto trimestre, algumas das mais altas de todos os tempos.

Os frigoríficos negam que estejam explorando sua posição no mercado para aumentar os preços, argumentando que a escassez de mão de obra e a forte demanda são os culpados pelos custos mais altos e pela menor produção.

Leia mais: Biden mira frigoríficos em plano contra a inflação nos EUA

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos