Mercado fechado
  • BOVESPA

    126.003,86
    +951,08 (+0,76%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.897,79
    +629,34 (+1,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,18
    +0,11 (+0,15%)
     
  • OURO

    1.797,40
    -4,40 (-0,24%)
     
  • BTC-USD

    37.693,12
    +3.252,82 (+9,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    905,01
    -10,48 (-1,14%)
     
  • S&P500

    4.422,30
    +10,51 (+0,24%)
     
  • DOW JONES

    35.144,31
    +82,76 (+0,24%)
     
  • FTSE

    7.025,43
    -2,15 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    26.192,32
    -1.129,66 (-4,13%)
     
  • NIKKEI

    27.833,29
    +285,29 (+1,04%)
     
  • NASDAQ

    15.117,50
    +19,50 (+0,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1096
    -0,0120 (-0,20%)
     

Inflação, pandemia e dívidas são as principais preocupações dos bancos centrais, diz pesquisa UBS

·2 minuto de leitura
UBS em Zurique

Por Tom Arnold

LONDRES (Reuters) - A inflação apareceu como uma das principais preocupações dos gestores de reservas de bancos centrais, juntamente com o fracasso em pôr fim à crise da Covid-19 e o aumento dos níveis da dívida, mostraram resultados de uma pesquisa do UBS divulgada nesta quarta-feira.

Temores em relação à inflação e aumentos descontrolados nos rendimentos de longo prazo, riscos não sinalizados pelos participantes da Pesquisa Anual de Gestores de Reservas do ano passado, foram neste ano levantados por 57% dos entrevistados como principal risco para a economia mundial.

O fracasso em acabar com a pandemia foi citado como preocupação por 79% dos entrevistados, com 71% sinalizando os níveis da dívida do governo.

Refletindo a angústia sobre a gravidade da Covid-19, metade dos participantes da pesquisa acredita que o vírus acabará somente após 2022.

Gestores de reservas de aproximadamente 30 bancos centrais mundiais responderam à pesquisa, conduzida durante os meses de abril e junho.

"A inflação voltou ao topo das preocupações dos banqueiros centrais", disse Massimiliano Castelli, chefe de estratégia e consultoria para mercados soberanos globais do UBS, à Reuters.

"A maioria está dizendo que espera um aumento, mas não chega a níveis muito altos de inflação. Portanto, parece que existe uma espécie de visão entre a comunidade de bancos centrais de que o atual aumento da inflação que estamos experienciando é transitório."

Mais de dois terços dos participantes na pesquisa esperam que o Federal Reserve (Fed) dos Estados Unidos aumente as taxas de juros em 2023, enquanto 30% esperam que o Fed o faça em 2022.

Em contrapartida, os participantes esperam um ciclo de alta posterior para o Banco Central Europeu (BCE), com 33% esperando o primeiro aumento dos juros para 2023, 41% em 2024 e apenas 26% depois de 2024.

(Por Tom Arnold em Londres)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos