Mercado fechado
  • BOVESPA

    99.621,58
    -969,83 (-0,96%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.061,61
    -373,84 (-0,77%)
     
  • PETROLEO CRU

    109,89
    +0,11 (+0,10%)
     
  • OURO

    1.820,40
    +2,90 (+0,16%)
     
  • BTC-USD

    19.991,59
    -326,88 (-1,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    428,89
    -10,77 (-2,45%)
     
  • S&P500

    3.818,83
    -2,72 (-0,07%)
     
  • DOW JONES

    31.029,31
    +82,32 (+0,27%)
     
  • FTSE

    7.312,32
    -11,09 (-0,15%)
     
  • HANG SENG

    21.996,89
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    26.611,31
    -193,29 (-0,72%)
     
  • NASDAQ

    11.639,00
    -52,00 (-0,44%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4302
    +0,0196 (+0,36%)
     

Inflação no Japão supera meta em maio pelo 2º mês seguido

Loja em Tóquio

Por Kantaro Komiya e Leika Kihara

TÓQUIO (Reuters) - O núcleo da inflação anual ao consumidor do Japão superou a meta do banco central pelo segundo mês consecutivo em maio, mostrara dados nesta sexta-feira, destacando a intensificação da pressão sobre a frágil economia do país do aumento dos custos globais das matérias-primas.

Os dados desafiam a visão do Banco do Japão de que o recente aumento dos preços é temporário e não justifica a retirada do estímulo monetário.

Mas com o crescimento moderado dos salários, muitos analistas esperam que o banco central permaneça firmemente concentrado em estimular a economia em vez de combater a inflação com aumentos das taxas de juros.

O núcleo do índice de preços ao consumidor nacional, que exclui alimentos frescos voláteis, mas inclui os custos de combustível, subiu 2,1% em maio em relação ao ano anterior, conforme mostraram os dados, em linha com a projeção do mercado.

O resultado ficou acima da meta de 2% do Banco do Japão pelo um segundo mês consecutivo, após alta de 2,1% em abril, que havia sido o ritmo mais forte em sete anos.

"Os preços dos alimentos estão subindo significativamente, mesmo quando o crescimento dos salários continua lento. Isso pode prejudicar o consumo e fazer com que os varejistas hesitem em repassar mais custos aos consumidores", disse Takumi Tsunoda, economista sênior do Instituto de Pesquisa do Banco Central Shinkin.

"Eu não acho que o núcleo da inflação ao consumidor atingirá 3% a menos que uma gama mais ampla de preços de bens diários e de serviços aumente."

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos