Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    55.574,85
    -5.397,77 (-8,85%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6943
    -0,0268 (-0,40%)
     

Inflação na zona do euro sobe 0,9% em fevereiro sobre ano anterior antes de alta esperada

·1 minuto de leitura

FRANKFURT (Reuters) - A inflação da zona do euro repetiu em fevereiro a mesma taxa do mês anterior, dando uma pausa no que deve ser temporário antes de uma forte alta nos preços ao consumidor nos próximos meses, mostraram dados nesta terça-feira.

Os preços nos 19 países que usam o euro subiram 0,2% no mês em fevereiro e 0,9% na comparação com o ano anterior, em linha com as expectativas de analistas, mostrou a estimativa preliminar da Eurostat, agência de estatísticas da União Europeia.

Os preços devem subir mais devido a uma série de fatores únicos, e a inflação pode até mesmo superar a meta de 2% do Banco Central Europeu nos próximos meses, desafiando a projeção do banco de taxa média de inflação de 1% neste ano.

Ainda assim, as surpresas de alta não devem levar o BCE a apertar a política monetária, já que são consideradas temporárias e a inflação deve cair com força no final do ano, permanecendo bem abaixo da meta do BCE por anos em seguida.

A maior parte do aumento mensal dos preços se deveu ao aumento dos preços dos combustíveis e dos alimentos, mas o aumento no núcleo dos preços desacelerou, outro motivo para o BCE não apressar um aperto da política monetária.

Excluindo os preços voláteis de alimentos e energia, o que o BCE define como núcleo da inflação, a inflação desacelerou a 1,2% de 1,4% no mês anterior.

(Reportagem de Balazs Koranyi)