Mercado abrirá em 6 h 24 min
  • BOVESPA

    107.937,11
    -1.004,57 (-0,92%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.890,59
    -708,79 (-1,37%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,64
    +0,33 (+0,40%)
     
  • OURO

    1.842,50
    +0,80 (+0,04%)
     
  • BTC-USD

    36.087,52
    +109,62 (+0,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    821,53
    +10,93 (+1,35%)
     
  • S&P500

    4.410,13
    +12,19 (+0,28%)
     
  • DOW JONES

    34.364,50
    +99,13 (+0,29%)
     
  • FTSE

    7.297,15
    -196,98 (-2,63%)
     
  • HANG SENG

    24.656,46
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    27.113,13
    -475,24 (-1,72%)
     
  • NASDAQ

    14.318,50
    -182,50 (-1,26%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2127
    -0,0160 (-0,26%)
     

Inflação na zona do euro atinge 5% em dezembro e marca nova máxima recorde

·1 min de leitura
Shopping em Berlim

FRANKFURT (Reuters) - A inflação na zona do euro acelerou inesperadamente no mês passado, provavelmente provocando mais reações desconfortáveis no Banco Central Europeu, que tem consistentemente subestimado as pressões de preços e vem sendo criticado por isso por algumas de suas próprias autoridades.

A inflação nos 19 países que usam o euro acelerou a 5% em dezembro sobre o ano anterior, de 4,9% em novembro, máxima recorde para o bloco monetário e acima da expectativa de analistas de 4,7%.

Os preços da energia, que avançaram 26% sobre o ano anterior, continuaram sendo os maiores vilões, mas altas em alimentos, serviços e bens importados também ficaram bem acima da meta de inflação do BCE de 2%, mostraram dados da Eurostat nesta sexta-feira.

Com a economia se recuperando do choque inicial da pandemia no ano passado, os preços dispararam, pegando o BCE --que previa uma inflação benigna há poucos meses --de surpresa.

Ampliando a pressão, gargalos na cadeia de oferta reduziram a disponibilidade de produtos, enquanto as famílias começaram a gastar em tudo, de novos carros a restaurantes.

A maior parte desses motores da inflação é temporária, portanto a pressão de preços deve acabar diminuindo.

Mas as visões sobre a velocidade com que a inflação vai diminuir divergem, bem como a expectativa sobre onde ela vai se acomodar quando a economia se ajustar ao novo normal.

O BCE estima que a inflação voltará a ficar abaixo de 2% até o final deste ano, mas uma longa lista de autoridades questiona essa narrativa, alertando que os riscos são de alta e que leituras acima da meta pode, persistir até o próximo ano.

(Reportagem de Balazs Koranyi)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos