Mercado abrirá em 7 h 14 min
  • BOVESPA

    100.774,57
    -1.140,88 (-1,12%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.007,16
    +308,44 (+0,62%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,41
    +0,84 (+1,28%)
     
  • OURO

    1.778,40
    -5,90 (-0,33%)
     
  • BTC-USD

    56.571,33
    -598,50 (-1,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.435,15
    -33,93 (-2,31%)
     
  • S&P500

    4.513,04
    -53,96 (-1,18%)
     
  • DOW JONES

    34.022,04
    -461,68 (-1,34%)
     
  • FTSE

    7.168,68
    +109,23 (+1,55%)
     
  • HANG SENG

    23.714,00
    +55,08 (+0,23%)
     
  • NIKKEI

    27.853,44
    -82,18 (-0,29%)
     
  • NASDAQ

    15.955,50
    +85,75 (+0,54%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4501
    +0,0033 (+0,05%)
     

Inflação na zona do euro é confirmada em 4,1% em outubro sobre ano anterior

·1 min de leitura
Final de tarde em Frankfurt, Alemanha

BRUXELAS (Reuters) - A inflação da zona do euro saltou para mais do que o dobro da meta do Banco Central Europeu em outubro, confirmou nesta quarta-feira a agência de estatísticas da União Europeia, com mais da metade do avanço devendo-se ao aumento nos preços da energia.

A Eurostat informou que a inflação nos 19 países que usam o euro foi de 0,8% em outubro sobre o mês anterior, alcançando 4,1% na base anual, em linha com estimativa anterior da Eurostat.

O BCE quer manter a inflação em 2% no médio prazo e disse que o aumento dos preços é temporário. O banco espera que a alta dos preços desacelere durante 2022, mas admitiu que levará mais tempo do que o inicialmente esperado.

Os preços mais caros de energia contribuíram com 2,21 pontos percentuais para a taxa anual, enquanto os serviços somaram 0,86 ponto e alimento, álcool e tabaco acrescentaram 0,43 ponto. Produtos industriais excluindo energia contribuíram com 0,55 ponto, disse a Eurostat.

Sem os voláteis preços de energia e alimentos não processados, medida que o BCE chama de núcleo da inflação, os preços subiram 0,3% no mês e 2,1% no ano.

Com a inflação disparando, o BCE está sob forte pressão para abandonar sua política monetária ultraflexível e combater o aumento dos preços que está afetando o poder de compra das famílias.

(Reportagem de Jan Strupczewski)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos