Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    42.695,02
    -2.048,93 (-4,58%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

Inflação na indústria até julho supera alta registrada em todo o ano de 2020

·1 minuto de leitura
**ARQUIVO** SÃO BERNARDO DO CAMPO, SP, 18.05.2020: Linha de produção da montadora de caminhões Mercedes-Benz. (Foto: Bruno Santos/Folhapress)
**ARQUIVO** SÃO BERNARDO DO CAMPO, SP, 18.05.2020: Linha de produção da montadora de caminhões Mercedes-Benz. (Foto: Bruno Santos/Folhapress)

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - A indústria brasileira voltou a registrar aumento nos custos, mostra o IPP (Índice de Preços ao Produtor). Em julho, os preços para os produtores do setor subiram 1,94%, a maior alta dos últimos três meses.

Com o resultado, o acumulado do ano, que está em dois dígitos, chegou a 21,39%. É o recorde da série histórica, iniciada em dezembro de 2014, para o período até julho.

Mais do que isso: a variação em sete meses já é maior do que a verificada em todo o ano de 2020 (19,38%). Já o acumulado em 12 meses (35,08%) está entre os quatro maiores da série, informou o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta sexta-feira (27).

A pesquisa mede a variação dos preços de produtos na "porta da fábrica", sem efeito de impostos e fretes, em 24 atividades das indústrias extrativas e da transformação. Dessas, 20 tiveram variações positivas em julho.

A maior influência no índice veio de alimentos (0,49 ponto percentual), refino de petróleo e produtos de álcool (0,32 p.p.), indústrias extrativas (0,27 p.p.) e metalurgia (0,27 p.p.).

"Em linhas gerais o indicador de julho é muito influenciado pelas condições do comércio internacional devido às altas acumuladas e correntes das commodities minerais, agropecuárias e do petróleo, com impacto nos preços de venda e na estrutura de custos das atividades de maior influência no mês", afirmou Felipe Câmara, analista do IPP.

"Um inverno mais rigoroso em 2021 e a entressafra de insumos importantes à fabricação de alimentos também contribuíram para deteriorar as condições de oferta de matéria-prima, pressionando as margens do produtor industrial desse setor", acrescentou.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos