Mercado fechará em 3 h 33 min
  • BOVESPA

    103.795,57
    -3.939,44 (-3,66%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.171,69
    +151,64 (+0,29%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,77
    +0,27 (+0,33%)
     
  • OURO

    1.805,50
    +23,60 (+1,32%)
     
  • BTC-USD

    60.923,03
    -2.430,62 (-3,84%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.451,56
    -51,48 (-3,42%)
     
  • S&P500

    4.535,64
    -14,14 (-0,31%)
     
  • DOW JONES

    35.595,20
    -7,88 (-0,02%)
     
  • FTSE

    7.221,04
    +30,74 (+0,43%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,40 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.804,85
    +96,27 (+0,34%)
     
  • NASDAQ

    15.360,00
    -118,75 (-0,77%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6797
    +0,0987 (+1,50%)
     

Inflação na Alemanha bate recorde em setembro

·1 minuto de leitura
Consumidores usam máscara e lotam a principal rua comercial de Colônia, a Hohe Strasse (High Street) em Colônia, Alemanha, 12 de dezembro de 2020. REUTERS/Wolfgang Rattay

BERLIM (Reuters) - A inflação alemã acelerou e foi a um patamar recorde em setembro, mostraram dados nesta quinta-feira, destacando as crescentes pressões sobre os preços à medida que a maior economia da Europa se recupera da pandemia e suas empresas lutam contra a escassez de oferta.

Os preços ao consumidor, ajustados para torná-los comparáveis ​​aos dados de inflação de outros países da União Europeia (UE), aumentaram 4,1% no comparativo anual, ante 3,4% em agosto, informou o Escritório Federal de Estatísticas.

Essa foi a taxa mais alta registrada desde janeiro de 1997, quando a série harmonizada da UE teve início.

A análise dos dados mostrou que os preços da energia e dos alimentos foram os que mais subiram.

Christian Lindner, líder do Partido Liberal Democrático (FDP) --visto como favorável ao mercado e candidato a se tornar o próximo ministro das Finanças em uma possível coalizão tríplice com o Partido Social-Democrata (SPD) e os Verdes--, acessou o Twitter para pedir um retorno a uma política fiscal mais conservadora.

Ele disse que a alta taxa de inflação é outro lembrete de que os formuladores de política monetária "deveriam se concentrar em reduzir a carga para a classe média e retornar a sólidas finanças públicas".

Sob o comando do ministro das Finanças Olaf Scholz, que está na liderança para suceder a chanceler Angela Merkel após a vitória do SPD nas eleições, a Alemanha abandonou sua política fiscal de orçamentos equilibrados e contraiu novos valores recordes de dívidas para combater a pandemia.

(Por Rene Wagner e Joseph Nasr)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos