Mercado abrirá em 8 h 34 min
  • BOVESPA

    108.402,27
    +1.930,35 (+1,81%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.354,86
    +631,43 (+1,35%)
     
  • PETROLEO CRU

    90,55
    -0,21 (-0,23%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,10 (-0,17%)
     
  • BTC-USD

    23.841,65
    +527,35 (+2,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    557,07
    +14,20 (+2,61%)
     
  • S&P500

    4.140,06
    -5,13 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    32.832,54
    +29,07 (+0,09%)
     
  • FTSE

    7.482,37
    +42,63 (+0,57%)
     
  • HANG SENG

    20.228,71
    +182,94 (+0,91%)
     
  • NIKKEI

    27.989,76
    -259,48 (-0,92%)
     
  • NASDAQ

    13.214,50
    +31,25 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2115
    +0,0021 (+0,04%)
     

Inflação do Japão permanece acima da meta do BC pelo 3º mês em junho

Distrito comercial de Ameyoko em Tóquio

Por Daniel Leussink

TÓQUIO (Reuters) - O núcleo da inflação ao consumidor no Japão permaneceu acima da meta de 2% do banco central pelo terceiro mês consecutivo em junho, já que a economia enfrenta a pressão dos altos preços globais das matérias-primas que fizeram subir o custo das importações do país.

O aumento dos preços ao consumidor desafia a visão do Banco do Japão de que as recentes altas na terceira maior economia do mundo continuarão a ser temporárias, mesmo com as famílias se preocupando com custos de vida mais altos.

O núcleo do índice nacional de preços ao consumidor, que exclui os custos voláteis dos alimentos frescos mas inclui os da energia, subiu 2,2% em junho em relação ao ano anterior, mostraram os dados do governo.

Os dados, em linha com a expectativa do mercado, significam que a inflação ficou acima da meta de 2% do banco central pelo terceiro mês consecutivo, após altas de 2,1% em maio e abril.

Os orçamentos das famílias, especialmente entre as pessoas de baixa renda, enfrentaram a pressão dos preços mais altos dos alimentos que provavelmente esfriam o apetite por gastos pós-pandemia, disse Takeshi Minami, economista-chefe do Instituto de Pesquisa Norinchukin.

"A recuperação será bastante lenta", acrescentou Minami. "O impulso deveria ter sido forte se nada tivesse acontecido, mas o impacto dos aumentos de preços e uma sétima onda de Covid-19 a está suprimindo consideravelmente."

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos