Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.909,61
    +2.127,46 (+1,96%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.174,06
    -907,27 (-1,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,71
    +0,51 (+0,65%)
     
  • OURO

    1.762,40
    -1,30 (-0,07%)
     
  • BTC-USD

    16.449,64
    +226,89 (+1,40%)
     
  • CMC Crypto 200

    389,69
    +0,96 (+0,25%)
     
  • S&P500

    3.957,63
    -6,31 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    33.852,53
    +3,07 (+0,01%)
     
  • FTSE

    7.512,00
    +37,98 (+0,51%)
     
  • HANG SENG

    18.204,68
    +906,74 (+5,24%)
     
  • NIKKEI

    28.027,84
    -134,99 (-0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.504,50
    -20,25 (-0,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4519
    -0,0973 (-1,75%)
     

Inflação do Japão atinge pico de 40 anos enquanto BC mantém política monetária frouxa

Farmácia em Tóquio

Por Tetsushi Kajimoto

TÓQUIO (Reuters) - O núcleo da inflação ao consumidor do Japão acelerou para uma máxima de 40 anos em outubro, impulsionada pela fraqueza da moeda e pelas pressões de custos importados que o banco central deixa de lado com uma política de taxa de juros ultrabaixa.

O núcleo do índice nacional de preços ao consumidor subiu 3,6% em relação ao ano anterior, superando o aumento de 3,5% esperado por economistas e o avanço de 3,0% observado em setembro.

Foi o maior salto desde fevereiro de 1982, quando uma crise no Oriente Médio decorrente da guerra Irã-Iraque afetou o fornecimento de petróleo bruto e provocou um pico nos preços da energia.

O aumento do índice, que exclui a volatilidade dos preços de alimentos frescos mas inclui produtos petrolíferos, confirmou que a inflação permaneceu acima da meta de 2% do Banco do Japão pelo sétimo mês consecutivo.

Mas economistas não esperam que o banco central se junte a uma tendência global de aumento das taxas de juros, uma vez que a autoridade monetária considera a aceleração da inflação deste ano como um episódio de aumento de custos que perderá força à medida que os custos de importação pararem de pressionar.

As restrições de fornecimento externo elevaram os preços dos alimentos importados, das commodities industriais e das peças manufaturadas, assim como a queda no iene, que em termos de dólar caiu mais de 20% este ano.

O presidente do Banco do Japão, Haruhiko Kuroda, reiterou na quinta-feira o compromisso de manter o estímulo monetário para alcançar o crescimento dos salários e uma inflação sustentável e constante. O banco central está mantendo a taxa de juros de longo prazo em torno de zero e as de curto prazo em -0,1%.