Mercado fechará em 4 h 38 min
  • BOVESPA

    103.982,67
    +1.758,41 (+1,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,80
    +4,65 (+6,82%)
     
  • OURO

    1.786,50
    +1,00 (+0,06%)
     
  • BTC-USD

    57.226,32
    +2.899,67 (+5,34%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.434,38
    -21,03 (-1,44%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,06 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.159,30
    +115,27 (+1,64%)
     
  • HANG SENG

    23.852,24
    -228,28 (-0,95%)
     
  • NIKKEI

    28.283,92
    -467,70 (-1,63%)
     
  • NASDAQ

    16.239,50
    +188,50 (+1,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3037
    -0,0448 (-0,71%)
     

"Inflação, inflação, inflação" ainda é vista como temporária, diz Lagarde

·2 min de leitura

FRANKFURT (Reuters) - O Banco Central Europeu (BCE) ainda vê o aumento recente da inflação na zona do euro acima de sua meta de 2% como temporário e espera que as pressões de preços diminuam no próximo ano, disse a presidente do BCE, Christine Lagarde, nesta quinta-feira.

Ela reconheceu que o declínio da inflação levará mais tempo do que o BCE esperava inicialmente, mas disse que as condições de financiamento favoráveis ​​criadas pela política monetária ultraestimulativa do BCE ainda são essenciais para a economia da zona do euro se recuperar da pandemia de Covid-19.

"Vemos a inflação subindo ainda mais no curto prazo, mas depois caindo no próximo ano", disse Lagarde em coletiva de imprensa depois de o BCE manter a política monetária.

Ela identificou os principais impulsionadores da inflação como preços de energia, problemas nas cadeias de abastecimento --conforme a demanda do consumidor se recupera-- e efeitos de base, especialmente do corte do imposto de valor agregado alemão no ano passado, cujo impacto deve sair da conta dos dados em janeiro.

A inflação da zona do euro foi a 3,4% no mês passado e deve subir para 3,7% em outubro. Os dados preliminares serão divulgados na sexta-feira.

Isso levantou questões sobre se a agressiva política do BCE de compras maciças de títulos e taxas de juros negativas sobre os depósitos ainda era apropriada.

Lagarde disse que a inflação dominou as discussões do Conselho do BCE. "Falamos sobre inflação, inflação, inflação", afirmou.

"Fizemos muitos exames de consciência para realmente testar nossa análise e estamos confiantes de que esta análise da temporalidade dessas categorias está correta e levará a um declínio ao longo de 2022."

"Ainda assim, vai demorar um pouco mais do que esperávamos."

O BCE disse em setembro que via a inflação em 2,2% neste ano, em 1,7% no próximo e em 1,6% em 2023, mas é provável que aumente suas previsões na próxima atualização de estimativas, em dezembro.

Economistas ouvidos pela Reuters também aumentaram suas previsões e agora veem o crescimento dos preços na zona do euro em 2,3% neste ano, 1,8% em 2022 e 1,6% em 2023.

Indicadores de mercado para as expectativas de inflação da zona do euro também subiram e colocam a taxa em torno de 2%, meta do BCE, para a próxima década.

O swap de inflação a termo de cinco e cinco anos superou 2% pela primeira vez desde 2014 na semana passada, enquanto o swap de inflação a termo de um ano e um ano estava logo abaixo desse nível.

(Por Francesco Canepa)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos