Mercado abrirá em 1 h 59 min
  • BOVESPA

    95.368,76
    -4.236,78 (-4,25%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    37.393,71
    -607,60 (-1,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    36,12
    -1,27 (-3,40%)
     
  • OURO

    1.878,40
    -0,80 (-0,04%)
     
  • BTC-USD

    13.171,67
    +8,28 (+0,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    260,53
    -12,16 (-4,46%)
     
  • S&P500

    3.271,03
    -119,65 (-3,53%)
     
  • DOW JONES

    26.519,95
    -943,24 (-3,43%)
     
  • FTSE

    5.605,58
    +22,78 (+0,41%)
     
  • HANG SENG

    24.586,60
    -122,20 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    23.331,94
    -86,57 (-0,37%)
     
  • NASDAQ

    11.253,25
    +120,50 (+1,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7244
    -0,0100 (-0,15%)
     

Inflação de idosos fica em 4,00% em 12 meses, acima do índice geral

·2 minutos de leitura

O Índice de Preços ao Consumidor da Terceira Idade (IPC-3i), que mede a variação da cesta de consumo de famílias majoritariamente compostas por indivíduos com mais de 60 anos de idade, registrou inflação de 1,93% no terceiro trimestre, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV). No mesmo período, o Índice de Preços ao Consumidor - Brasil (IPC-Br), que mede a variação de preços para famílias sem filtrar por idade, registrou alta de 1,85%. Com isso, em 12 meses, a inflação dos idosos ficou em 4,00% e segue acima do indicador geral, de 3,62% no período. No segundo trimestre, o IPC-3i acumulava alta de 2,54% em 12 meses contra 2,22% do IPC-Br. Cinco das oito classes de despesa componentes do índice registraram acréscimo em suas taxas de variação. A principal contribuição partiu do grupo Transportes, cuja taxa passou de -2,93% para 2,89%. O item que mais influenciou o comportamento desta classe de despesa foi gasolina, que variou 8,64% no terceiro trimestre, ante -10,55%, no anterior. Contribuíram também para o acréscimo da taxa do IPC-3i os grupos: Habitação (-0,10% para 1,72%), Educação, Leitura e Recreação (-3,59% para 4,65%), Alimentação (2,16% para 2,74%) e Despesas Diversas (0,63% para 0,86%). Nestas classes de despesa, vale destacar o comportamento dos itens: tarifa de eletricidade residencial (-2,09% para 3,91%), passagem aérea (-19,11% para 49,67%), carnes bovinas (2,23% para 8,25%) e cigarros (-0,46% para 1,51%). Em contrapartida, os grupos Saúde e Cuidados Pessoais (0,90% para 0,44%) e Vestuário (-0,44% para -0,73%) apresentaram recuo em suas taxas de variação. Nestas classes de despesa, vale citar os itens: médico, dentista e outros (1,50% para -0,83%) e roupas (-0,28% para -1,00%). O grupo Comunicação repetiu a taxa de variação de 0,92% registrada na última apuração. As principais influências partiram dos itens: mensalidade para tv por assinatura (1,02% para 2,43%), em sentido ascendente, e combo de telefonia, internet e tv por assinatura (1,87% para 1,68%), em sentido descendente. A principal diferença entre o IPC-3i e o IBC-Br está na ponderação da cesta de produtos e serviços para chegar ao indicador final, com maior peso de despesas com saúde e habitação, por exemplo. O IPC-3i é calculado a partir da estrutura orçamentária de famílias compostas por, pelo menos, 50% de indivíduos com idade igual ou superior a 60 anos de idade, cuja renda esteja no intervalo de 1 a 33 salários mínimos mensais. O limite de 60 anos foi definido com base no Estatuto do Idoso. A próxima divulgação do IPC-3i, referente ao terceiro trimestre deste ano, acontecerá no dia 12 de janeiro.