Mercado abrirá em 9 h 30 min
  • BOVESPA

    99.605,54
    -1.411,42 (-1,40%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.001,31
    -244,55 (-0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    38,71
    -0,86 (-2,17%)
     
  • OURO

    1.907,90
    -4,00 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    13.748,86
    -5,90 (-0,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    272,12
    +10,84 (+4,15%)
     
  • S&P500

    3.390,68
    -10,29 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    27.463,19
    -222,19 (-0,80%)
     
  • FTSE

    5.728,99
    -63,02 (-1,09%)
     
  • HANG SENG

    24.645,57
    -141,62 (-0,57%)
     
  • NIKKEI

    23.382,37
    -103,43 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    11.527,50
    -60,50 (-0,52%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7201
    -0,0031 (-0,05%)
     

Inflação em setembro é a maior para o mês desde 2003

DIEGO GARCIA
·3 minutos de leitura
Foto: Andre Coelho/Getty Images
Foto: Andre Coelho/Getty Images

Os preços dos combustíveis e dos alimentos voltaram a pressionar o IPCA, índice oficial de inflação no país, que fechou setembro com alta de 0,64%, acima dos 0,24% de agosto. Foi o maior índice para o mês desde 2003 (0,78%), informou nesta sexta (9) o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

Em 12 meses, a inflação acumula alta de 3,14%. No ano, o indicador está com 1,34%, acima dos 2,44% observados nos 12 meses imediatamente anteriores. Analistas da Bloomberg esperavam IPCA de 0,54% no mês e 3,03% na comparação anual. O piso da meta estipulada pelo Banco Central é de inflação de 2,50% no ano.

Leia também

O grupo Alimentação e bebidas acelerou 2,28% no mês e causou impacto de 0,46 ponto percentual no índice geral. A alta veio principalmente por alimentos para consumo no domicílio (2,89%), impulsionada pelo aumento no óleo de soja (27,54%) e arroz (17,98%). No ano, esses dois itens acumulam alta de 51,30% e 40,69%, respectivamente. As carnes variaram 4,53% em agosto.

A aceleração do preço dos alimentos é mais prejudicial às famílias de baixa renda, que sentem mais as despesas com comida em seu orçamento, principalmente em um momento de elevado desemprego e perda na renda.

No mês passado, o governo decidiu zerar a alíquota do imposto de importação para o arroz em casca e beneficiado até 31 de dezembro deste ano. A medida busca conter a alta no preço do alimento.

A alta nos preços vem em um momento delicado da economia. A reabertura de comércio e serviços em meio à pandemia intensificou o aumento do desemprego no Brasil, que bateu recorde e chegou a 13,8% no trimestre encerrado em julho.

Foi a maior marca da série histórica da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) Contínua, que calcula a desocupação oficial do país e teve início em 2012.

Análise do Banco Inter sobre a inflação apontou que, embora a produção agrícola brasileira tenha apresentado bom desempenho nos últimos meses, parte desse excedente tem sido destinado à exportação, mais rentável com o câmbio depreciado e maior demanda da China.

"Somado à forte demanda no varejo alimentício durante a pandemia, isso contribui para que os alimentos figurem entre os itens com maiores altas nos índices de preços", analisou o banco.

Além de alimentos e bebidas, destaque para alta nos preços dos combustíveis, especialmente a gasolina (1,95%), cujos preços aumentaram em todas as áreas pesquisadas, exceto Salvador. A gasolina é o subitem de maior peso no IPCA, segundo o IBGE. As passagens aéreas (6,39%) também aumentaram após quatro meses em queda.

O IBGE calcula o IPCA desde 1980 entre famílias com rendimento de 1 a 40 salários mínimos e abrange dez regiões metropolitanas do Brasil, mais as cidades de Goiânia, Campo Grande, Rio Branco, São Luís, Aracaju e Brasília. O índice de agosto foi calculado entre 30 de julho e 27 de agosto de 2019.

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube