Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,83 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,39 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,98
    +1,48 (+1,79%)
     
  • OURO

    1.793,10
    +11,20 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    61.286,54
    +108,21 (+0,18%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,69 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,94 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,40 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.804,85
    +96,27 (+0,34%)
     
  • NASDAQ

    15.324,00
    -154,75 (-1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5808
    -0,0002 (-0,00%)
     

Inflação em alta reduz a expectativa de consumo

·2 minuto de leitura

Com a inflação ganhando força e passando para diferentes setores da economia, o consumo vem perdendo força.

O dinheiro recebido não consegue acompanhar a evolução dos preços e isso vai tirando o apetite do consumidor.

Selic não é o principal inimigo

Em momentos de inflação alta, normalmente o inimigo é a própria taxa de juro. A taxa de juro tem um caráter restritivo e pode reduzir o consumo de produtos de alto valor, como a compra de imóveis ou veículos.

Mas com a inflação mais “entranhada” em nossa economia, os preços que vem ganhando força são de produtos de consumo básico, como os alimentos e itens de higiene.

Isso tem influenciado no hábito de consumo de todas as famílias, sem exceção. Inclusive, observando o grau de aumento da inflação, é possível que a Selic chegue a um patamar ainda mais elevado até o final de 2021.

Lembrando que até o final do ano, ainda existem mais duas reuniões. Dependendo da alta do IPCA nos próximos meses, é possível que a taxa seja elevada em mais do que 1% por reunião.

Influência nos investimentos

Para a bolsa subir, o cenário político precisa dar sinais de calma e a economia precisa crescer. Outro indicador que influencia é o desemprego.

Um desemprego menor significa que há mais pessoas ocupadas e mais pessoas dispostas a consumir. O desemprego maior pode reduzir ainda mais a gama de pessoas consumidoras levando a mais aperto na economia.

Outro ponto é o dólar. Nos últimos cinco dias o dólar vem subindo em mais de 1,22%. Essa alta impacta combustíveis, preços de vários produtos e demais segmentos.

Querendo ou não, o dólar maior só vai municiar ainda mais a inflação. O USD/BRL no momento está em R$ 5,32. Enquanto isso, outros mercados convivem com uma taxa de câmbio muito mais estável.

Mesmo com toda a crise provocada pela construtora Evergrande, a paridade entre o dólar e Yuan continua bem equilibrada.

O USD/CNY nos últimos cinco dias vem marcando queda de 0,0046%, com a cotação em 6,47 Yuan.

Já o EUR/USD vem marcando desvalorização de 0,0014% com uma cotação em 1,17 dólares. Com a crise provocada pela Evergrande, índices chineses vêm sofrendo bastante e isso pode ser uma oportunidade de investimento.

Para aproveitar esse momento, no Brasil existem algumas alternativas, dentre elas o ETF XINA11. Para investir no mesmo basta ter pouco menos de R$ 10,00.

O ETF XINA11 vem registrando desvalorização de 17,5% em 2021. Vale destacar que ainda em 2021, antes de eclodir a crise da Evergrande, XINA11 tinha alcançado uma valorização de mais de 22%.

This article was originally posted on FX Empire

More From FXEMPIRE:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos