Mercado abrirá em 35 mins
  • BOVESPA

    106.363,10
    -56,43 (-0,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.714,60
    -491,99 (-0,94%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,45
    -1,21 (-1,46%)
     
  • OURO

    1.800,90
    +2,10 (+0,12%)
     
  • BTC-USD

    60.944,16
    +1.907,83 (+3,23%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.466,80
    -7,53 (-0,51%)
     
  • S&P500

    4.551,68
    -23,11 (-0,51%)
     
  • DOW JONES

    35.490,69
    -266,19 (-0,74%)
     
  • FTSE

    7.234,31
    -18,96 (-0,26%)
     
  • HANG SENG

    25.555,73
    -73,01 (-0,28%)
     
  • NIKKEI

    28.820,09
    -278,15 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    15.676,50
    +89,25 (+0,57%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4215
    -0,0032 (-0,05%)
     

Inflação em alta e crescimento em baixa pressionam dólar a R$ 5,50 e Bolsa cai a 109 mil pontos

·4 minuto de leitura
*ARQUIVO* SAO PAULO - SP - 05.09.2013 - Bolsa de Valores na  Rua XV de Novembro em Sao Paulo. (Foto: Danilo Verpa/Folhapress)
*ARQUIVO* SAO PAULO - SP - 05.09.2013 - Bolsa de Valores na Rua XV de Novembro em Sao Paulo. (Foto: Danilo Verpa/Folhapress)

SÃO PAULO,SP (FOLHAPRESS) - A combinação de inflação e crescimento baixo que afeta o mundo todo e os riscos particulares do Brasil proporcionavam mais uma abertura de mercado em baixa e alta do dólar nesta quarta-feira (6).

Às 11h51, a divisa americana subia 0,40%, a R$ 5,5070, mesmo com em um dia em que o Banco Central oferta até 14 mil contratos de swap cambial tradicional com vencimento em junho e setembro de 2022.

O Ibovespa, índice de referência da Bolsa de Valores brasileira, caía 1,28%, a 109.03 pontos, após ter atingido a mínima de 108.179.

Os mercados globais passam por dias de turbulência devido à escalada generalizada de preços, o que tem forçado bancos centrais de países desenvolvidos a discutirem a elevação das taxas de juros básicos.

Nos Estados Unidos, a inflação tem ampliado a expectativa de que a taxa de juros básicos, que hoje está perto de zero, seja elevada a partir de 2022.

Ruim de modo geral para as Bolsas, a alta de juros em economias sólidas tem ainda mais impacto em países emergentes, situação agravada no Brasil por um cenário fiscal preocupante.

"A curva de juros futuros nos Estados Unidos já está na casa de 1,5% e, com uma economia considerada sem risco remunerando melhor, o risco do Brasil é precificado em algum lugar, e isso aparece no dólar e na Bolsa", diz Rachel de Sá, chefe de economia da Rico.

A dificuldade do governo em fechar o Orçamento de 2022 e a pressão pelo aumento de gastos com a aproximação das eleições do próximo ano são, segundo a economista, os principais motivos de preocupação do mercado em relação ao Brasil.

Em comentário a clientes mais cedo, o diretor de investimentos da TAG Investimentos, Dan H. Kawa, destacou que o Brasil está entrando neste ambiente mais desafiador no exterior em situação bastante delicada e frágil.

Um dos elementos internos de forte pressão sobre a inflação é a alta no preço dos combustíveis, que tende a se intensificar com o atual cenário de aumento na cotação do petróleo.

Na última segunda-feira (4), o preço do petróleo alcançou o maior valor em três anos porque os países membros da Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) e aliados decidiram não aumentar o atual nível de produção.

Nesta manhã, o barril do Brent, referência para o mercado, caía 1,02%, a US$ 81,72 (R$ 450,86). A alta acumulada no ano, porém, é de 56%.

Para tentar aliviar essa pressão, nesta terça-feira (5), o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), propôs a partidos da base e da oposição um acordo segundo o qual o ICMS (imposto estadual) incidiria sobre o preço médio dos combustíveis nos últimos dois anos para reduzir o valor da gasolina.

Os governadores, porém, já sinalizaram que são contra a proposta, reforçando o clima de embate entre Brasília e estados, o que piora o cenário político interno do país.

De acordo com Rachel de Sá, independentemente de qual medida está em discussão, o fato de a Petrobras estar no foco de agentes políticos amplia o temor de intervenções na estatal. Os papéis da empresa (PETR4) caíam mais de 2% nesta manhã, pesando significativamente na baixa da Bolsa.

"Os preços dos combustíveis já estão abaixo do mercado internacional devido à alta do petróleo", diz a analista.

Desde 2017, a Petrobras adota o PPI (preço de paridade de importação), sistema que vincula os preços praticados pela companhia à cotação internacional do petróleo.

A elevação do preço do petróleo ocorre em um momento de aumento da demanda por insumos necessários à geração de energia, situação fortemente influenciada pela redução da produção de carvão mineral na China, segundo Daniel Miraglia, economista-chefe da Integral Group.

O gigante asiático segue firme em seu propósito na substituição da queima de combustíveis fósseis por fontes limpas, como a eólica e a solar.

Durante a pandemia, porém, cadeias de abastecimento do mundo todo foram prejudicadas e, em um cenário de escassez generalizada, faltam também componentes para equipamentos necessários à expansão de turbinas eólicas e placas de células fotovoltaicas, por exemplo.

Na Europa, um outono mais frio também aumentou a demanda por energia, pressionando os preços do gás natural.

Desabastecimento e alta da energia, em um momento de retomada econômica nos países desenvolvidos com a pandemia perdendo força devido à vacinação, são os principais elementos da inflação mundial.

Situação agravada porque um quadro inflacionário ligado à escassez também impede o crescimento, lançando sobre o mercado o temor de uma estagflação.

Nos Estados Unidos, Dow Jones, S&P 500 e Nasdaq recuavam 1,02%, 0,45% e 0,34%, respectivamente, devolvendo parcialmente os ganhos da véspera.

Comércio fraco piora cenário O volume de vendas do comércio varejista do país caiu 3,1% em agosto, na comparação com julho, revelou o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta quarta-feira.

A retração é a maior para agosto desde o começo da série histórica, em 2000. O desempenho ficou bem abaixo das expectativas do mercado. Analistas consultados pela agência Bloomberg esperavam elevação de 0,6% nas vendas.

O resultado é mais um sinal das dificuldades do país em retomar o crescimento, situação que tende a piorar devido à necessidade do Banco Central em elevar os juros básicos para conter a inflação.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos