Mercado fechado
  • BOVESPA

    104.466,24
    +3.691,67 (+3,66%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.927,38
    +920,22 (+1,84%)
     
  • PETROLEO CRU

    67,26
    +1,69 (+2,58%)
     
  • OURO

    1.769,60
    -14,70 (-0,82%)
     
  • BTC-USD

    57.021,86
    +193,71 (+0,34%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.451,63
    +12,75 (+0,89%)
     
  • S&P500

    4.577,10
    +64,06 (+1,42%)
     
  • DOW JONES

    34.639,79
    +617,75 (+1,82%)
     
  • FTSE

    7.129,21
    -39,47 (-0,55%)
     
  • HANG SENG

    23.788,93
    +130,01 (+0,55%)
     
  • NIKKEI

    27.753,37
    -182,25 (-0,65%)
     
  • NASDAQ

    16.004,25
    +134,50 (+0,85%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3854
    -0,0614 (-0,95%)
     

Inflação e juro vêm beneficiando a renda fixa.

·2 min de leitura

A inflação alta junto do aumento da taxa Selic, vieram para alterar as prioridades dos investidores. Agora a renda fixa vem atraindo bastante aqueles que buscam maiores rentabilidades.

Aumento de 2% na taxa Selic?

O mercado já vem especulando um possível aumento acima dos 1,5% já feito pelo banco central.

Caso haja mais um aumento e de maior magnitude, a renda fixa vai se tornar muito atraente. Principalmente se as expectativas pioraram com relação à economia.

Em caso do dólar permanecer alto e da inflação persistir, o BC vai manter o aumento do juro e a Selic pode chegar a patamares acima dos 10% ao ano.

Sendo que o juro de longo prazo vai ser corrigido, conforme os aumentos ocorrerem. Mas tudo isso é mera especulação.

O fato é que o BC já vem tomando atitudes com o intuito de manter a Selic alta em 2022, mas logo em 2023, reduzir a taxa Selic.

A inflação, segundo as análises do BC, provavelmente vai convergir para dentro da meta em 2022 e ficar “controlada” em 2023.

Dólar em alta

Depois de acompanhar a queda do dólar que chegou a bater a cotação de R$ 5,40, o USD/BRL terminou a sexta-feira cotado a R$ 5,46, alta de 1,10%.

Com a alta da Selic e expectativa de mais aumentos, o mercado aparentemente, parecia estar interessado em reais, uma vez que o juro por aqui começou a se tornar atraente.

Porém, com o aumento na sexta-feira, o interesse não é tão grande, ou existe receio ainda por parte do mercado.

A queda do dólar vai ajudar muito o Brasil no controle da inflação, uma vez que muitos preços sofrem com a volatilidade do dólar. Sendo assim, dólar menor, inflação menor.

Outro ativo que vem performando bem nas últimas semanas é o ouro (OZ1D), o ouro cotado na B3 registrou valorização de 1,6%, cotado a R$ 323,50.

Em momentos de crise, ouro é um ativo interessante, chamando atenção dos investidores por sua resiliência. Outro ponto é a capacidade do ouro de integrar a inflação em seu preço, ou seja, em momentos de forte inflação, normalmente o ouro consegue absorver a alta dos preços.

Vale destacar que a inflação não está atacando só o Brasil, mas outros países como o próprio Estados Unidos e a China vêm enfrentando o problema de alta dos preços.

Observando isso, é interessante manter um pequeno pedaço do patrimônio alocado em ouro.

This article was originally posted on FX Empire

More From FXEMPIRE:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos