Mercado abrirá em 9 h 52 min
  • BOVESPA

    99.605,54
    -1.411,42 (-1,40%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.001,31
    -244,55 (-0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    38,81
    -0,76 (-1,92%)
     
  • OURO

    1.908,70
    -3,20 (-0,17%)
     
  • BTC-USD

    13.706,55
    +11,25 (+0,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    271,42
    +10,13 (+3,88%)
     
  • S&P500

    3.390,68
    -10,29 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    27.463,19
    -222,19 (-0,80%)
     
  • FTSE

    5.728,99
    -63,02 (-1,09%)
     
  • HANG SENG

    24.639,14
    -148,05 (-0,60%)
     
  • NIKKEI

    23.432,25
    -53,55 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    11.533,25
    -54,75 (-0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6813
    -0,0419 (-0,62%)
     

Inflação dos mais pobres acelera a 0,89%, com salto de 10,64% em arroz e feijão

Valor
·2 minutos de leitura

Índice da FGV que mede variação de preços para famílias com renda de um a 2,5 salários mínimos acumula alta de 4,54% em 12 meses até setembro, contra 3,62% do indicador geral O Índice de Preços ao Consumidor - Classe 1 (IPC-C1) — que mede a variação de preços de produtos e serviços para famílias com renda entre um e 2,5 salários mínimos — apresentou inflação de 0,89% em setembro, vindo de 0,55% no mês anterior, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) em relatório. O IPC-Br, relativo à inflação para famílias com renda de um a 33 salários mínimos mensais, chegou a 0,82% no mês passado, vindo de 0,53%. Com esse resultado, o IPC-C1 acumula alta de 4,54% em 12 meses, contra 3,62% do indicador geral. Na leitura anterior, a inflação dos menos favorecidos apontava para uma alta de preços acumulada de 3,08% contra 2,77% para todos os consumidores no mesmo intervalo de tempo. Nesta apuração, três das oito classes de despesa componentes do índice registraram acréscimo em suas taxas de variação: Alimentação (0,76% para 2,23%), Educação, Leitura e Recreação (0,09% para 2,44%) e Vestuário (-0,42% para 0,12%). Nestas classes, a FGV destaca arroz e feijão (1,02% para 10,64%), passagem aérea (2,77% para 39,19%) e roupas (-0,54% para 0,12%). Daniel Dan outsideclick/Pixabay Em contrapartida, apresentaram recuo em suas taxas de variação os grupos Saúde e Cuidados Pessoais (0,61% para -0,10%), Despesas Diversas (0,58% para 0,26%), Habitação (0,61% para 0,54%), Comunicação (0,12% para 0,04%) e Transportes (0,68% para 0,61%). Nestas classes, a FGV destaca médico, dentista e outros (0,57% para -1,49%), serviços bancários (0,81% para 0,08%), tarifa de eletricidade residencial (1,00% para 0,22%), mensalidade para tv por assinatura (0,44% para 0,07%) e gasolina (2,68% para 1,67%). A principal diferença entre o IPC-C1 e o IPC-Br está na ponderação da cesta de produtos e serviços para chegar ao indicador final. Para famílias mais pobres, por exemplo, alimentação costuma ter maior relevância, e educação particular, menor, dentro do total de despesas. A próxima divulgação do IPC-C1 acontecerá no dia 6 de novembro.