Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.064,36
    +1.782,08 (+1,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.464,27
    +125,93 (+0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,18
    -0,12 (-0,16%)
     
  • OURO

    1.748,00
    -1,80 (-0,10%)
     
  • BTC-USD

    44.685,97
    +1.484,79 (+3,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.120,19
    +11,27 (+1,02%)
     
  • S&P500

    4.448,98
    +53,34 (+1,21%)
     
  • DOW JONES

    34.764,82
    +506,50 (+1,48%)
     
  • FTSE

    7.078,35
    -5,02 (-0,07%)
     
  • HANG SENG

    24.510,98
    +289,44 (+1,19%)
     
  • NIKKEI

    30.188,61
    +549,21 (+1,85%)
     
  • NASDAQ

    15.323,00
    +19,50 (+0,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2278
    +0,0028 (+0,04%)
     

Inflação deve fechar o ano em torno de 7% e chegar ao fim de 2022 em 4%, diz Guedes

·2 minuto de leitura
Ministro da Economia, Paulo Guedes

BRASÍLIA (Reuters) - O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta sexta-feira que o país atravessa o pior momento em relação à inflação, mas que a taxa deve começar a retroceder daqui para frente, chegando ao final deste ano em 7% e terminando 2022 próximo a 4%.

Em participação no evento virtual "Scoop Day", Guedes também afirmou que o governo não prevê renovar o auxílio emergencial, que vence em outubro, mas destacou que é a pandemia que define o "timing" do benefício.

"Se viesse a variante Delta, se ela subir, se aumentar de novo a taxa de mortalidade, a infecção estiver fazendo vítimas, aí tudo bem, aí vamos embora de novo com o auxílio emergencial, mas não é o que nós estamos vendo no momento", disse Guedes.

Sobre a inflação, que teve alta de 8,99% em 12 meses até julho, Guedes disse que o governo está cumprindo seu papel, adotando uma política fiscal austera, e com o Banco Central atuando na política monetária.

"Eu imagino que o pior da inflação nós estamos atravessando agora, daqui para frente a taxa deve começar a cair lentamente", disse Guedes, ressaltando que há desafios no processo, com destaque para a crise hídrica.

Ao comentar a perspectiva para votação da reforma do Imposto de Renda no Senado, após o projeto ter sido aprovado esta semana na Câmara, Guedes disse estar confiante que terá apoio dos senadores. Ele considerou um equívoco a derrubada no Senado do projeto do governo que instituía programas para criar empregos.

"Claramente há um problema no Senado, o governo ainda não conseguiu formular sua base de sustentação", disse Guedes.

Para o ministro, ainda que a proposta de reforma do IR do governo tenha sofrido alterações na Câmara, as ideias centrais foram preservadas, com a redução da tributação sobre empresas e pessoas físicas e a imposição da taxação dos dividendos.

Guedes disse não estar preocupado com a possibilidade de a reforma trazer perda de arrecadação já que as receitas estão vindo muito acima do esperado em meio à retomada da economia.

(Por Isabel Versiani)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos