Mercado fechado

Inflação desacelera em janeiro na Argentina

Marina Guimarães, Para O Valor

Segundo o Instituto Nacional de Estatísticas e Censos (INDEC), a inflação ao consumidor no mês foi de 2,3%; resultado é a menor alta do IPC desde julho de 2018 A inflação ao consumidor na Argentina desacelerou seu ritmo de alta em janeiro a 2,3%, de uma taxa de 3,7% em dezembro, segundo informou o Instituto Nacional de Estatísticas e Censos (INDEC), nesta quinta-feira (13).

O resultado do mês passado é a menor alta do índice de preços ao consumidor (IPC) desde julho de 2018, quando a inflação subiu 2%.

O IPC de janeiro ficou abaixo do esperado pelo mercado, que projetava alta entre 2,9% e 3,5%, conforme o Relevamento de Expectativas de Mercado (REM) elaborado pelo Banco Central e com base nas projeções das principais consultorias privadas, bancos e economistas do país. O REM foi publicado no dia 4 de fevereiro.

Para o economista Martín Tetaz, o valor verificado está dentro do esperado porque os principais preços da economia estão congelados: tarifas de serviços públicos, transportes e combustíveis.

Na comparação com janeiro de 2019, o IPC subiu 52,9%, segundo o Indec. Os setores que mais aumentaram os preços em janeiro foram os de entretenimento (+5%), alimentos e bebidas (+4,7%) e bebidas alcoólicas e tabaco (+4,3%).