Mercado abrirá em 1 h 57 min
  • BOVESPA

    110.611,58
    -4.590,65 (-3,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.075,41
    +732,87 (+1,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,70
    +0,65 (+1,00%)
     
  • OURO

    1.700,50
    +22,50 (+1,34%)
     
  • BTC-USD

    54.136,66
    +4.202,36 (+8,42%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.093,06
    +68,86 (+6,72%)
     
  • S&P500

    3.821,35
    -20,59 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    31.802,44
    +306,14 (+0,97%)
     
  • FTSE

    6.748,79
    +29,66 (+0,44%)
     
  • HANG SENG

    28.773,23
    +232,40 (+0,81%)
     
  • NIKKEI

    29.027,94
    +284,69 (+0,99%)
     
  • NASDAQ

    12.554,50
    +257,25 (+2,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,9924
    +0,0326 (+0,47%)
     

Inflação desacelera em janeiro com taxa de 0,25%, diz IBGE

DIEGO GARCIA
·1 minuto de leitura
***ARQUIVO***SÃO PAULO: Cédulas de real, moeda oficial brasileira. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO: Cédulas de real, moeda oficial brasileira. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - A taxa de inflação em janeiro foi de 0,25%, divulgou nesta terça (9) o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). O dado representa uma desaceleração em relação às elevações observadas nos meses anteriores e que colocaram o mercado em alerta.

O freio na escalada da taxa veio sobretudo da energia elétrica, que registrou queda de 5,6% em janeiro com a entrada em vigor da bandeira tarifária amarela. Em dezembro, quando a bandeira tarifária estava vermelha, o item havia subido 1,35%.

Dessa forma, em janeiro o consumidor passou a pagar menos por eletricidade: um adicional de R$ 1,343 por 100 quilowatts-hora, enquanto no mês anterior esse acréscimo era de R$ 6,243.

Pedro Kislanov, gerente da pesquisa do IBGE, explicou que a mudança tarifária provocou uma deflação de 1,07% no grupo habitação, que contém o item energia elétrica.

"Isso aconteceu mesmo com a alta em outros componentes, como o gás encanado (0,22%) e a taxa de água e esgoto (0,19%)", afirmou Kislanov.

O grupo de alimentos, por outro lado, continua o principal responsável pela alta de preços, mas com menor intensidade em janeiro do que o registrado no segundo semestre de 2020.

O grupo alimentação em bebida registrou alta de 1,02% no mês. A influência foi bem menor do que em dezembro (1,74%), o que indica também uma desaceleração dos preços nesse grupo, que vinham sendo pressionados pela alta demanda provocada pelo auxílio emergencial.

O benefício se encerrou em dezembro do ano passado, com saque de parcelas residuais ao longo de janeiro. Um novo programa de auxílio está sendo estudado pelo governo.