Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    17.055,29
    +122,99 (+0,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Inflação da zona do euro supera expectativa e atinge novo recorde

Mercado em Atenas

FRANKFURT (Reuters) - A inflação da zona do euro superou as expectativas mais uma vez este mês para atingir um recorde, o que indica novos aumentos das taxas de juros pelo Banco Central Europeu uma vez que as pressões sobre os preços parecem estar se ampliando.

O aumento dos preços ao consumidor nos 19 países que compartilham o euro acelerou para 10,7% em outubro, de 9,9% um mês antes, superando as expectativas em pesquisa da Reuters de 10,2%, já que a inflação na Alemanha, Itália e França subiu mais do que o esperado, mostraram nesta segunda-feira dados do Eurostat.

Os preços da energia continuaram a impulsionar a inflação, mas os alimentos e os bens industriais importados também pressionaram os preços, mesmo que os serviços tenham desempenhado apenas um papel marginal desta vez.

O BCE aumentou os juros em um total de 2 pontos percentuais nos últimos três meses e prometeu um aperto adicional já em dezembro. Mas os mercados começaram a antecipar uma desaceleração no aumento das taxas devido à perspectiva de recessão e à queda dos preços do gás de níveis recordes.

Mas as autoridades devem se preocupar que o crescimento do núcleo dos preços, que elimina a volatilidade dos preços de alimentos e combustíveis, tenha continuado a acelerar, apontando para a ampliação das pressões sobre os preços, o que aumenta o risco de que a alta inflação se enraíze.

De fato, a inflação excluindo alimentos não processados e energia acelerou para 6,4% de 6,0%, enquanto uma medida ainda mais restrita, que também filtra o álcool e o tabaco, subiu de 4,8% para 5,0%.