Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.979,96
    +42,09 (+0,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.789,31
    +417,33 (+0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,77
    -0,72 (-1,10%)
     
  • OURO

    1.868,40
    +0,40 (+0,02%)
     
  • BTC-USD

    40.717,24
    -4.227,18 (-9,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.131,86
    -121,29 (-9,68%)
     
  • S&P500

    4.127,83
    -35,46 (-0,85%)
     
  • DOW JONES

    34.060,66
    -267,13 (-0,78%)
     
  • FTSE

    7.034,24
    +1,39 (+0,02%)
     
  • HANG SENG

    28.593,81
    +399,72 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    28.008,09
    -398,75 (-1,40%)
     
  • NASDAQ

    13.177,50
    -34,50 (-0,26%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4309
    +0,0008 (+0,01%)
     

Inflação da Turquia atinge máxima de dois anos acima de 17% após queda da lira

·1 minuto de leitura
Restrições por Covid em Istambul

ISTAMBUL (Reuters) - A inflação anual turca subiu para 17,14% em abril para o seu nível mais alto em quase dois anos, mostraram dados nesta segunda-feira, impulsionada por uma queda da lira e importações de commodities caras, pressionando o novo chefe do banco central a manter a política monetária rígida.

A lira caiu 13% desde meados de março, quando o presidente, Tayyip Erdogan, substituiu um presidente respeitado e 'hawkish' do banco central, elevando os custos de importação para a Turquia, que é dependente da importação.

A depreciação se refletiu no aumento dos preços ao produtor, que aumentaram 35,17% em abril, contra 31,20% em março, segundo dados do Instituto de Estatísticas da Turquia.

Mensalmente, os preços ao consumidor subiram 1,68%, um pouco menos do que a previsão da pesquisa Reuters de 1,80%.

O banco central estimou na semana passada que a inflação atingiria um pico em abril e cairia para 12,2% no final do ano.

Mas alguns analistas dizem que a inflação pode continuar a subir até maio e talvez até junho, atrasando quaisquer cortes na taxa de juro de 19%. A previsão mediana de final de ano na última pesquisa Reuters era de 14%.

(Por Ezgi Erkoyun, Can Sezer e Ali Kucukgocmen)