Mercado fechará em 1 h 35 min
  • BOVESPA

    129.772,46
    +331,43 (+0,26%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.289,69
    +3,23 (+0,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,98
    +0,07 (+0,10%)
     
  • OURO

    1.865,50
    -14,10 (-0,75%)
     
  • BTC-USD

    40.122,57
    +2.636,25 (+7,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.002,82
    +33,98 (+3,51%)
     
  • S&P500

    4.235,86
    -11,58 (-0,27%)
     
  • DOW JONES

    34.232,81
    -246,79 (-0,72%)
     
  • FTSE

    7.146,68
    +12,62 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    29.161,80
    +213,07 (+0,74%)
     
  • NASDAQ

    14.066,00
    +71,75 (+0,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1538
    -0,0388 (-0,63%)
     

Inflação ao produtor na China tem maior alta em 12 anos em meio e destaca pressões globais

·1 minuto de leitura
Calçadão de Nanjing, em Xangai

PEQUIM (Reuters) - Os preços ao produtores na China aumentaram em maio no ritmo anual mais forte em mais de 12 anos devido à alta dos preços de commodities, destacando pressões inflacionárias globais no momento em que as autoridades estão tentando revitalizar o crescimento após o impacto da Covid-19.

Investidores estão cada vez mais preocupados que as medidas de estímulo possam superaquecer a inflação global e forçar bancos centrais a apertar a política monetária, potencialmente limitando a recuperação.

O índice de preços ao produtor da China subiu 9,0% em maio sobre o ano anterior, informou nesta quarta-feira a Agência Nacional de Estatísticas, uma vez que os preços se recuperaram das mínimas do ano passado.

A alta do índice, a mais forte para qualquer mês nessa base de comparação desde setembro de 2008, deveu-se a aumentos significativos nos preços do petróleo, minério de ferro e metais não ferrosos, disse a agência.

Analistas esperavam alta de 8,5% em pesquisa da Reuters depois de o índice ter subido 6,8% em abril.

Pouco depois da divulgação dos dados de inflação, a Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma disse que a China vai monitorar de perto os movimentos de preços das commodities e elevar as previsões para manter a ordem do mercado.

O salto dos preços ao produtor ainda não afetou de forma substancial a inflação ao consumidor, o que significa que o Banco do Povo da China não deve se preocupar por enquanto.

Os preços ao consumidor subiram 1,3% em maio sobre o ano anterior, maior alta em oito meses, mas ficaram abaixo das expectativas de avanço de 1,6%. A inflação ao consumidor permaneceu bem abaixo da meta oficial de em torno de 3%.

(Reportagem de Liangping Gao, Stella Qiu e Ryan Woo)