Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.877,70
    -53,10 (-2,75%)
     
  • BTC-USD

    23.364,65
    +31,68 (+0,14%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Inflação anual na zona do euro diminui em dezembro para 9,2%

Mercado em Nice, França

BRUXELAS (Reuters) - A inflação ao consumidor da zona do euro desacelerou conforme o esperado em dezembro, confirmou a agência de estatísticas da União Europeia, Eurostat, nesta quarta-feira, devido a uma queda contínua nos preços de energia que anteriormente elevaram a taxa a níveis recordes.

A Eurostat disse que os preços nos 20 países que usam o euro caíram 0,4% em dezembro em relação ao mês anterior, acumulando alta anual de 9,2%. A leitura anual ficou em linha com uma estimativa preliminar e, portanto, com as expectativas do mercado.

Os preços de energia caíram 6,6% em relação ao mês anterior, para um aumento de 25,5% sobre o ano, desacelerando em relação ao avanço de 34,9% no mês anterior.

Como resultado, a energia deixou de ser o principal contribuinte para a taxa anual, acrescentando apenas 2,79 pontos percentuais, enquanto os alimentos contribuíram com 2,88 pontos. Os bens industriais não energéticos somaram 1,70 ponto percentual e os serviços mantiveram-se em 1,83 ponto.

Sem os componentes voláteis de energia e alimentos, os preços subiram 0,7% sobre o mês, para um aumento anual de 6,9%. Uma medida ainda mais restrita, que exclui também os preços do tabaco e do álcool, mostrou que a inflação subiu 0,6% em relação ao mês anterior, para uma alta de 5,2% sobre o ano.

(Reportagem de Jan Strupczewski)