Mercado abrirá em 2 h 37 min
  • BOVESPA

    109.068,55
    -1.120,02 (-1,02%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.725,96
    -294,69 (-0,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,60
    +0,59 (+0,82%)
     
  • OURO

    1.796,10
    -1,90 (-0,11%)
     
  • BTC-USD

    16.832,14
    +19,69 (+0,12%)
     
  • CMC Crypto 200

    395,36
    -6,68 (-1,66%)
     
  • S&P500

    3.933,92
    -7,34 (-0,19%)
     
  • DOW JONES

    33.597,92
    +1,58 (+0,00%)
     
  • FTSE

    7.475,01
    -14,18 (-0,19%)
     
  • HANG SENG

    19.450,23
    +635,41 (+3,38%)
     
  • NIKKEI

    27.574,43
    -111,97 (-0,40%)
     
  • NASDAQ

    11.540,75
    +31,25 (+0,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4745
    +0,0081 (+0,15%)
     

Inflação anual na Argentina deve superar 100% em 2022, mostra pesquisa do BC

Sede do banco central da Argentina em Buenos Aires

BUENOS AIRES (Reuters) - A inflação anual da Argentina poderá atingir 100,3% este ano, de acordo com uma pesquisa de analistas publicada pelo banco central do país na quinta-feira, saltando 5,3 pontos percentuais em relação à estimativa anterior.

A previsão na Pesquisa das Expectativas de Mercado vem em meio a uma prolongada crise financeira e social na terceira maior economia da América Latina.

A inflação mensal de setembro deve atingir 6,7%, ligeiramente abaixo dos 7% registrados em agosto, segundo a mediana das estimativas.

Para 2023 a expectativa é de que a inflação atingirá 90,5%, também acima da estimativa anterior de 84,1%.

O governo da Argentina declarou em sua proposta de Orçamento que a inflação ficará em 60% no próximo ano.

A profunda recessão econômica da Argentina levou milhares de pessoas às ruas na semana passada, com os manifestantes exigindo ações para combater a inflação altíssima e ajudar os pobres do país.

A taxa de pobreza na Argentina caiu ligeiramente para 36,5% no primeiro semestre deste ano, contra 37,3% durante o segundo semestre de 2021, de acordo com dados oficiais.

Os analistas elevaram ligeiramente sua projeção de crescimento econômico para 2022 no país sul-americano de 3,6% para 4,1%.

A pesquisa foi realizada entre 28 e 30 de setembro com 39 participantes.

(Reportagem de Eliana Raszewski)