Mercado fechado
  • BOVESPA

    99.621,58
    -969,83 (-0,96%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.061,61
    -373,84 (-0,77%)
     
  • PETROLEO CRU

    109,42
    -0,36 (-0,33%)
     
  • OURO

    1.819,80
    +2,30 (+0,13%)
     
  • BTC-USD

    20.063,28
    -223,82 (-1,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    431,42
    -8,24 (-1,87%)
     
  • S&P500

    3.818,83
    -2,72 (-0,07%)
     
  • DOW JONES

    31.029,31
    +82,32 (+0,27%)
     
  • FTSE

    7.312,32
    -11,09 (-0,15%)
     
  • HANG SENG

    21.996,89
    -422,08 (-1,88%)
     
  • NIKKEI

    26.651,84
    -152,76 (-0,57%)
     
  • NASDAQ

    11.666,75
    -24,25 (-0,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4302
    +0,0196 (+0,36%)
     

Inflação anual da zona do euro em maio é confirmada em recorde de 8,1%

Feira em Nice, França

FRANKFURT (Reuters) - A inflação anual da zona do euro subiu para um recorde de 8,1% no mês passado, em linha com a estimativa preliminar e mais de quatro vezes a meta do Banco Central Europeu, ressaltando seus planos de aumentar as taxas de juros no próximo mês para domar o crescimento dos preços em fuga.

Inicialmente impulsionada pela escassez da oferta pós-pandemia e pelo aumento dos preços da energia após a invasão russa da Ucrânia, a inflação tornou-se agora cada vez mais ampla, afetando tudo, desde alimentos e serviços até bens de uso diário.

O crescimento dos preços nos 19 países que compartilham o euro subiu de 7,4% em abril para 8,1% em maio, em linha com uma estimativa preliminar publicada em 31 de maio, informou nesta sexta-feira a agência de estatísticas da União Europeia, Eurostat.

Embora a inflação seja agora quatro vezes a meta de 2% do BCE, as autoridades parecem igualmente preocupadas com um rápido aumento dos preços subjacentes, sugerindo que a inflação rápida está agora se enraizando através de efeitos indiretos.

A inflação excluindo os custos de alimentos e energia, um número observado de perto pelo BCE, acelerou de 3,9% para 4,4%, enquanto que uma medida ainda mais restrita que também exclui o álcool e o tabaco subiu de 3,5% para 3,8%.

Enquanto um aumento de 39% nos custos de energia foi o principal motor da inflação, os preços dos alimentos não processados subiram 9% e os preços dos produtos industriais não energéticos avançaram 4,2%. Os custos dos serviços, onde os salários têm um peso importante, subiram 3,5%

Preocupado com este aumento de preços, o BCE disse na semana passada que aumentará os juros em julho em 0,25 ponto percentual e novamente em setembro, quando será necessário um aumento maior se as perspectivas não tiverem melhorado.

Os dois movimentos tirariam a taxa de depósito do banco, atualmente em -0,5%, do território negativo, encerrando uma experiência de oito anos com taxas de juros negativas.

(Reportagem de Balazs Koranyi)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos