Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.953,90
    +411,95 (+0,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.743,15
    +218,70 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    108,46
    +2,70 (+2,55%)
     
  • OURO

    1.812,90
    +5,60 (+0,31%)
     
  • BTC-USD

    19.052,73
    -251,03 (-1,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    420,84
    +0,70 (+0,17%)
     
  • S&P500

    3.825,33
    +39,95 (+1,06%)
     
  • DOW JONES

    31.097,26
    +321,83 (+1,05%)
     
  • FTSE

    7.168,65
    -0,63 (-0,01%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,10 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    25.935,62
    -457,42 (-1,73%)
     
  • NASDAQ

    11.610,50
    +81,00 (+0,70%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5587
    +0,0531 (+0,96%)
     

Inflação anual da Turquia vai a 73,5% em maio, máxima desde 1998

Rua de comércio em Istambul

ISTAMBUL (Reuters) - A taxa de inflação anual da Turquia acelerou a uma máxima em 24 anos de 73,5% em maio, impulsionada pela guerra na Ucrânia, pelo salto nos preços de energia e pela desvalorização da lira --embora a leitura tenha sido um pouco menor do que economistas temiam.

A inflação turca tem disparado desde o ano passado, quando a lira despencou depois que o banco central iniciou um ciclo de afrouxamento que reduziu os juros em 5 pontos percentuais a pedido do presidente do país, Tayyip Erdogan.

O ritmo de alta dos preços superou os 73,2% atingidos em 2002 e é o mais intenso desde outubro de 1998, quando a inflação anual ficou em 76,6%. Na época, a Turquia estava batalhando para acabar com uma década de inflação cronicamente alta.

Ainda assim, a previsão consensual era de que a inflação anual aceleraria para 76,55% no mês passado.

Os preços ao consumidor subiram 2,98% na comparação com abril, informou o Instituto de Estatística da Turquia nesta sexta-feira, contra previsão em pesquisa da Reuters de alta de 4,8%.

Os custos de transporte e alimentação dispararam 108% e 92%, respectivamente na base anual, refletindo uma crise econômica cada vez mais profunda para os turcos, que estão com dificuldades para comprar bens básicos.

(Por Halilcan Soran, Berna Suleymanoglu e Nevzat Devranoglu)

ão São Paulo, 55 11 56447723))

REUTERS LB CMO

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos