Mercado fechará em 5 mins
  • BOVESPA

    108.381,91
    +1.376,69 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.388,65
    +98,74 (+0,19%)
     
  • PETROLEO CRU

    112,70
    +0,49 (+0,44%)
     
  • OURO

    1.842,20
    +1,00 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    29.276,88
    -715,01 (-2,38%)
     
  • CMC Crypto 200

    651,14
    -22,23 (-3,30%)
     
  • S&P500

    3.892,98
    -7,81 (-0,20%)
     
  • DOW JONES

    31.199,01
    -54,12 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.389,98
    +87,24 (+1,19%)
     
  • HANG SENG

    20.717,24
    +596,56 (+2,96%)
     
  • NIKKEI

    26.739,03
    +336,19 (+1,27%)
     
  • NASDAQ

    11.765,00
    -113,25 (-0,95%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1424
    -0,0764 (-1,46%)
     

Inflação ampla na zona do euro atinge recorde de 7,5% em abril

FRANKFURT (Reuters) - A inflação na zona do euro atingiu um novo recorde este mês, em linha com o esperado, em uma leitura desconfortável para os formuladores de políticas do Banco Central Europeu, já preocupados com a possibilidade de o rápido crescimento dos preços se consolidar, criando uma espiral de preços e salários difícil de interromper.

A inflação no bloco monetário de 19 países subiu para 7,5% em abril, ante 7,4% em março, em linha com as expectativas, impulsionada por um aumento persistente nos preços de energia e alimentos, mostraram dados da agência de estatísticas da União Europeia Eurostat nesta sexta-feira.

Embora os custos voláteis de energia tenham tido a maior contribuição, a taxa de inflação de energia na verdade diminuiu em relação a março, enquanto o crescimento dos preços de alimentos, serviços e bens industriais não energéticos acelerou ainda mais, sugerindo que a inflação está se tornando cada vez mais ampla.

Os preços subjacentes, que filtram os preços voláteis de energia e alimentos, também aumentaram, elevando as preocupações do BCE de que a inflação alta pode ser difícil de vencer e que uma luta de quase uma década com o crescimento ultrabaixo dos preços acabou.

A inflação excluindo os preços de alimentos e combustíveis, observada de perto pelo BCE, subiu de 3,2% para 3,9%, enquanto uma medida mais restrita, que também exclui produtos de álcool e tabaco, saltou de 2,9% para 3,5%. Ambos os números ficaram bem acima das expectativas.

(Por Balazs Koranyi)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos