Mercado abrirá em 9 h 27 min
  • BOVESPA

    108.714,55
    +2.418,37 (+2,28%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.833,80
    -55,86 (-0,11%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,64
    -0,12 (-0,14%)
     
  • OURO

    1.805,50
    -1,30 (-0,07%)
     
  • BTC-USD

    62.773,45
    +1.073,02 (+1,74%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.508,83
    +1.266,15 (+521,74%)
     
  • S&P500

    4.566,48
    +21,58 (+0,47%)
     
  • DOW JONES

    35.741,15
    +64,13 (+0,18%)
     
  • FTSE

    7.222,82
    +18,27 (+0,25%)
     
  • HANG SENG

    26.095,36
    -36,67 (-0,14%)
     
  • NIKKEI

    29.079,81
    +479,40 (+1,68%)
     
  • NASDAQ

    15.567,75
    +72,00 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4300
    -0,0063 (-0,10%)
     

Inflação alemã pode ficar acima de 2% até meados de 2022, diz BC

·1 minuto de leitura
Mercado Edeka em Duesseldorf, Alemanha

FRANKFURT (Reuters) - A inflação alemã deve acelerar ante níveis já elevados e permanecerá acima de 2% até meados de 2022, excedendo a meta do Banco Central Europeu para a zona do euro, disse o Bundesbank, o banco central da maior economia da Europa, em um relatório mensal divulgado nesta segunda-feira.

A inflação disparou este ano devido a uma infinidade de fatores pontuais -- de aumento de impostos a gargalos de oferta e saltos nos preços das commodities --, alimentando um debate sobre a necessidade de uma política monetária excepcionalmente frouxa, especialmente entre os alemães, preocupados com a inflação, que já nutrem alguma desconfiança em relação à conduta do BCE.

"Taxas de inflação entre 4% e 5% são possíveis temporariamente entre setembro e o final do ano", disse o Bundesbank. "A inflação provavelmente diminuirá visivelmente no início de 2022, mas ainda estará acima de 2% em meados do ano."

Embora a maioria dos economistas concorde que as altas leituras de inflação dos últimos meses são temporárias, há um debate sobre o quanto dessas pressões pontuais nos preços podem se traduzir em inflação permanente por meio dos efeitos de segunda ordem.

Até a presidente do BCE, Christine Lagarde, argumenta que "muitas" das causas da inflação alta são temporárias, indicando que ela também espera que alguns desses fatores persistam mesmo depois da pandemia.

O BCE, no entanto, projeta que o crescimento dos preços permaneça fraco e abaixo de sua meta de 2% nos próximos anos.

(Por Balazs Koranyi)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos