Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.877,70
    -53,10 (-2,75%)
     
  • BTC-USD

    23.149,05
    -278,20 (-1,19%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Inflação alemã desacelera em dezembro com pagamento de contas de energia pelo governo

BERLIM (Reuters) - A inflação alemã diminuiu pelo segundo mês consecutivo em dezembro devido à queda nos preços de energia e ao pagamento pontual pelo governo das contas de energia domésticas, ficando abaixo das expectativas, mesmo com analistas alertando que uma desaceleração contínua não é algo dado.

Os preços ao consumidor alemão, harmonizados para comparação com outros países da União Europeia, subiram 9,6% no ano em dezembro, mostraram dados preliminares do Departamento Federal de Estatísticas nesta terça-feira. Analistas consultados pela Reuters previam que a inflação anual de dezembro seria de 10,7%.

O mês de outubro registrou a leitura mais alta desde dados comparáveis de 1996, com a inflação harmonizada atingindo 11,6% no ano. Em novembro, houve leve desaceleração, com alta de 11,3%.

Na comparação com novembro, os preços recuaram 1,2%. Analistas esperavam queda de 0,5% em relação ao mês anterior.

O aumento anual foi impulsionado principalmente pelos custos mais altos de alimentos e energia devido à guerra na Ucrânia.

Os preços da energia diminuíram um pouco em dezembro, mas ainda subiram 24,4% em comparação com o mesmo período do ano passado, enquanto os preços dos alimentos aumentaram 20,7%, segundo o departamento.

O pagamento único das contas de energia domésticas em dezembro, parte dos esforços do governo para proteger os consumidores, teve um efeito de queda nos preços, de acordo com o escritório de estatísticas.

(Reportagem de Rene Wagner e Miranda Murray)