Mercado abrirá em 8 h 49 min
  • BOVESPA

    106.419,53
    -2.295,02 (-2,11%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.206,59
    +372,79 (+0,72%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,20
    -0,45 (-0,53%)
     
  • OURO

    1.788,90
    -4,50 (-0,25%)
     
  • BTC-USD

    60.598,01
    -2.120,05 (-3,38%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.472,18
    -32,97 (-2,19%)
     
  • S&P500

    4.574,79
    +8,31 (+0,18%)
     
  • DOW JONES

    35.756,88
    +15,73 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.277,62
    +54,80 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    25.569,34
    -468,93 (-1,80%)
     
  • NIKKEI

    28.946,61
    -159,40 (-0,55%)
     
  • NASDAQ

    15.536,50
    -8,50 (-0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4569
    +0,0028 (+0,04%)
     

Indicador antecedente tem mínima em 4 meses em setembro e levanta alerta sobre emprego, mostra FGV

·1 minuto de leitura
Homem mostra carteira de trabalho ao procurar oportunidades de emprego no centro de São Paulo

Por Camila Moreira

SÃO PAULO (Reuters) - O Indicador Antecedente de Emprego do Brasil caiu em setembro para o nível mais baixo em quatro meses depois de cinco altas seguidas, levantando o sinal de alerta sobre o ritmo de recuperação do mercado de trabalho, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta quarta-feira.

O IAEmp, que antecipa os rumos do mercado de trabalho no Brasil, recuou 3,1 pontos em setembro e foi a 87,0 pontos, menor nível desde maio de 2021 (83,4 pontos).

"O resultado negativo ainda não sugere uma reversão da tendência de recuperação, mas liga o sinal de alerta sobre o ritmo da retomada nos próximos meses", disse em nota Rodolpho Tobler, economista da FGV Ibre.

"A expectativa ainda é favorável, em especial puxada pelo setor de serviços que ainda tem espaço para recuperar o que foi perdido na pandemia, mas as turbulências do ambiente macroeconômico pesam contra a continuidade da recuperação no médio e longo prazo", completou.

Os componentes do IAEmp mostram que o indicador que mede o emprego previsto para os próximos meses dos consumidores caiu 12,7 pontos em setembro sobre o mês anterior, pesando com força sobre o resultado geral.

No trimestre encerrado em julho, a taxa de desemprego no Brasil recuou a 13,7% diante do aumento no número de pessoas ocupadas, mas mais de 14 milhões de trabalhadores ainda estão sem emprego e os informais se destacam, segundo dados do IBGE.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos