Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    45.244,64
    -1.254,30 (-2,70%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7583
    +0,0194 (+0,29%)
     

Indicado para CEO da Petrobras diz não ter opinião sobre privatização

·1 minuto de leitura
Trabalhador em plataforma da Petrobras

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O general Joaquim Silva e Luna, indicado pelo governo brasileiro para substituir o atual presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, disse nesta segunda-feira que não discutiu e não tem uma opinião sobre uma eventual privatização da companhia.

"Não conversei em nenhum momento (com o governo sobre o assunto)... então não me considero em condições de fazer nenhum juízo de valor", afirmou ele, durante entrevista à Rádio Bandeirantes.

O presidente Bolsonaro disse na sexta-feira que Silva e Luna foi indicado para assumir o comando da Petrobras após o final do ciclo do atual CEO, que tem mandato até meados de março. A indicação será submetida ao conselho de administração da companhia, para o qual Luna também foi indicado pelo governo.

(Por Luciano Costa; edição de Roberto Samora)