Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.487,88
    +1.482,88 (+1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.518,30
    +228,40 (+0,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,35
    +0,07 (+0,06%)
     
  • OURO

    1.845,10
    +3,00 (+0,16%)
     
  • BTC-USD

    29.965,16
    +526,29 (+1,79%)
     
  • CMC Crypto 200

    650,34
    -23,03 (-3,42%)
     
  • S&P500

    3.901,36
    +0,57 (+0,01%)
     
  • DOW JONES

    31.261,90
    +8,80 (+0,03%)
     
  • FTSE

    7.389,98
    +87,24 (+1,19%)
     
  • HANG SENG

    20.717,24
    +596,54 (+2,96%)
     
  • NIKKEI

    26.739,03
    +336,23 (+1,27%)
     
  • NASDAQ

    11.838,00
    -2,75 (-0,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1406
    -0,0782 (-1,50%)
     

Índia confisca R$ 3,6 bilhões da Xiaomi por remessas ilegais

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Xiaomi chamou essa situação de um
Xiaomi chamou essa situação de um "mal-entendido"
  • Empresa chinesa é acusada de enganar receita indiana;

  • Xiaomi nega as acusações e diz trabalhar de acordo com leis locais;

  • Dois países vivem uma escalada de tensões e desentendimentos desde 2020.

O governo indiano confiscou R$ 3,6 bilhões (US$ 725 milhões) em ativos da Xiaomi após uma investigação apontar que a marca chinesa supostamente tinha feito remessas ilegais para entidades estrangeiras. A manobra fiscal foi revelada no último fim de semana e a Índia acusa a empresa de violar suas leis cambiais.

Segundo a receita da Índia, a Xiaomi enviou o equivalente a 55,5 bilhões de rúpias para três entidades sediadas no exterior usando como justificativa o pagamento de royalties.

"Uma das empresas beneficiadas é a própria controladora da marca na China, mas duas outras entidades não identificadas receberam parte do dinheiro nos Estados Unidos", disse o fisco indiano.

A empresa chinesa, por outro lado, rebateu as acusações. "Acreditamos que nosso pagamento de royalties e declarações bancárias são legítimas e verídicas. Esses pagamentos de royalties que a Xiaomi Índia fez foram para as tecnologias licenciadas e IPs usados ​​em nossos produtos na versão indiana", disse.

"Estamos comprometidos a trabalhar de perto com as autoridades do governo para esclarecer qualquer mal-entendido", completou o comunicado da empresa de tecnologia.

China e Índia

Em dezembro, autoridades fizeram uma operação de busca e apreensão na sede da Xiaomi na Índia em outra investigação: uma suposta sonegação do imposto de renda.

Já em janeiro deste ano, a Índia exigiu que o braço local da fabricante chinesa de smartphones Xiaomi pague 6,53 bilhões de rúpias (R$ 500 milhões) em impostos de importação. A Diretoria de Inteligência da Receita conduziu uma investigação que levou à recuperação de documentos durante as buscas nas instalações da Xiaomi Índia.

Os dois países vivem uma escalada de tensões e desentendimentos desde o confronto entre soldados dos dois países na fronteira do Himalaia, em 2020. Recentemente, a Índia decidiu banir uma série de aplicativos chineses, incluindo a rede social de vídeos Tiktok.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos