Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.811,40
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    16.960,00
    +42,85 (+0,25%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Indústrias de produtos de limpeza param em SP, Rio e SC por conta de bloqueios antidemocráticos

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Abipla (Associação Brasileira das Indústrias de Produtos de Higiene, Limpeza e Saneantes para Uso Doméstico e Uso Profissional) informou nesta terça-feira (1º) que os bloqueios nas estradas feitos por apoiadores do atual presidente Jair Bolsonaro (PL), derrotado nas últimas eleições, já paralisaram a indústria do setor por falta de insumos. A reportagem apurou que linhas de produção começaram a ser suspensas nesta terça em indústrias de pelo menos três regiões: interior de São Paulo, Rio de Janeiro e Santa Catarina.

De acordo com a Abipla, as manifestações antidemocráticas estão levando à ruptura das cadeias de suprimento, ao impedir a chegada de insumos e até mesmo de colaboradores às fábricas, além de obstruir o escoamento da produção. A ação afeta a venda de detergentes, sabões e desinfetantes.

O setor de produtos de higiene e limpeza movimenta R$ 32 bilhões ao ano e responde por cerca de 90 mil empregos diretos.

Em nota, Paulo Engler destaca que os produtos de limpeza são fundamentais na higienização de ambientes hospitalares. "Caso as instituições de saúde não tenham acesso aos saneantes, podem ter sua segurança sanitária comprometida", informou. Segundo ele, a paralisação das linhas de produção pode aumentar ainda mais a pressão de custos que o setor tem sofrido desde o início da pandemia.