Mercado fechado
  • BOVESPA

    118.328,99
    -1.317,41 (-1,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.810,21
    -315,50 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,96
    -0,17 (-0,32%)
     
  • OURO

    1.864,40
    -1,50 (-0,08%)
     
  • BTC-USD

    29.381,73
    -150,80 (-0,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    577,44
    -102,47 (-15,07%)
     
  • S&P500

    3.853,07
    +1,22 (+0,03%)
     
  • DOW JONES

    31.176,01
    -12,37 (-0,04%)
     
  • FTSE

    6.715,42
    -24,97 (-0,37%)
     
  • HANG SENG

    29.927,76
    -34,71 (-0,12%)
     
  • NIKKEI

    28.600,05
    -156,81 (-0,55%)
     
  • NASDAQ

    13.371,50
    -24,00 (-0,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5110
    +0,0026 (+0,04%)
     

Indústrias da China aceleram recuperação em junho com demanda maior, mostra PMI oficial

Por Gabriel Crossley
·1 minuto de leitura

Por Gabriel Crossley

PEQUIM (Reuters) - As fábricas da China aceleraram a atividade em julho pelo quinto mês seguido uma vez que a melhora das perspectivas para produtos elétricos e farmacêuticos ajudou a manter a recuperação depois das paralisações devido ao coronavírus.

O Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) oficial de indústria divulgado nesta sexta-feira subiu inesperadamente a 51,1 em julho de 50,9 em junho. Essa foi a leitura mais alta desde março e ficou acima da expectativa de 50,7. A marca de 50 separa crescimento de contração.

Entretanto, analistas alertam que a recuperação pode estagnar em meio ao ressurgimento das infecções em todo o mundo e conforme as fábricas da China lidam com problemas causados por enchentes.

"O ritmo rápido de recuperação atual deve desacelerar nos próximos meses conforme o impulso inicial da reabertura de empresas diminuir", disse Julian Evans-Pritchard, da Capital Economics.

O PMI mostrou que as novas encomendas de exportação caíram, indicando pressão contínua da demanda externa, enquanto as empresas continuaram a cortar mais vagas de trabalho do que criaram.

Entretanto o ritmo dos declínio diminuiu em relação ao mês anterior sugerindo que o pior já passou enquanto a produção e as novas encomendas totais atingiram máximas de quatro meses.

No setor de serviços, a atividade também expandiu pelo quinto mês seguido impulsionado pela área de construção, no momento em que a China acelera projetos de infraestrutura.

O PMI oficial de serviços caiu a 54,2 de 54,4 em junho.