Mercado abrirá em 6 h 30 min
  • BOVESPA

    119.646,40
    -989,99 (-0,82%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.125,71
    -369,70 (-0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,28
    +0,04 (+0,08%)
     
  • OURO

    1.871,60
    +5,10 (+0,27%)
     
  • BTC-USD

    34.341,41
    -321,21 (-0,93%)
     
  • CMC Crypto 200

    678,10
    -22,52 (-3,21%)
     
  • S&P500

    3.851,85
    +52,94 (+1,39%)
     
  • DOW JONES

    31.188,38
    +257,86 (+0,83%)
     
  • FTSE

    6.740,39
    +27,44 (+0,41%)
     
  • HANG SENG

    30.033,10
    +390,82 (+1,32%)
     
  • NIKKEI

    28.764,80
    +131,34 (+0,46%)
     
  • NASDAQ

    13.378,75
    +84,50 (+0,64%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4177
    -0,0809 (-1,24%)
     

Indústria de veículos espera alta de 25% na produção em 2021, critica ICMS em SP

·2 minuto de leitura
Indústria de veículos no Brasil

SÃO PAULO (Reuters) - A indústria brasileira de veículos espera que a produção de carros, comerciais leves, caminhões e ônibus em 2021 cresça 25%, para 2,52 milhões de unidades, previsão que o presidente da associação de montadoras, Anfavea, considerou como "conservadora", diante das incertezas como as geradas pelos efeitos da pandemia.

Apesar do crescimento previsto, o volume projetado ainda representa uma ociosidade de cerca de 50%, uma vez que a capacidade nominal da indústria é de produção de 5 milhões de veículos por ano.

Para as vendas de novos, a expectativa é de aumento de 15%, para 2,37 milhões de unidades. Já a visão para as exportações envolve crescimento de 9%, para 353 mil unidades.

"As estimativas são conservadoras... Imaginamos que o Brasil vai crescer este ano, mas existem as incertezas e outras dificuldades", afirmou o presidente da Anfavea, Luiz Carlos Moraes, em apresentação online nesta sexta-feira. A estimativa da Anfavea para o crescimento do PIB do Brasil neste ano é de 3,5%, disse Moraes.

Ele citou como obstáculos ao setor a decisão do governo de São Paulo no final de 2020, que aumentou o ICMS sobre vendas de veículos novos e usados.

Segundo ele, o ICMS de veículos usados em São Paulo em alguns casos subiu 207%, o que pode impactar as vendas de novos já que estes produtos são usados como parte do pagamento. Já em novos, o ICMS a partir de 15 de janeiro será elevado de 12% para 13,3% e a partir de 1 de abril será incrementado para 14,5%, disse o presidente da Anfavea.

"A gente não imaginava que São Paulo fosse fazer uma proposição deste tipo. Isso afeta o mercado. É uma coisa que nos surpreende. Quero destacar nosso desapontamento com o governo do Estado de São Paulo", disse Moraes. "Não é momento de se fazer aumento de impostos no país, vai contra a premissa da reforma tributária...que não prevê aumento na carga."

Em dezembro, a produção cresceu 22,8%, para 209.296 unidades. Ante novembro, houve queda de 12,1%. Já os emplacamentos caíram 7,1% na comparação anual, mas subiram 8,4% na relação mensal. O estoque no mês terminou em 96,8 mil veículos distribuídos entre pátios de montadoras e concessionários, volume equivalente para 12 dias de comercialização, o que é o menor nível da história do setor, segundo Moraes.

No ano, a produção caiu 31,6%, para 2,01 milhões de veículos enquanto as vendas recuaram 26,2%, para 2,06 milhões. O setor terminou 2020 com fechamentos de cerca de 5 mil postos de trabalho, para 120,5 mil posições.

(Por Alberto Alerigi Jr.)