Mercado abrirá em 1 h 55 min

Indústria sofre recuo na produção de locomotivas e carros de passageiros

MARCELO TOLEDO
·3 minuto de leitura

RIBEIRÃO PRETO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - O ano de 2019 tinha sido muito difícil para a indústria ferroviária, que retrocedeu uma década em relação aos pedidos de locomotivas e vagões, mas 2020 parecia ser promissor. Parecia. Se for comparado com o ano anterior, 2020 teve crescimento no total de vagões fabricados, mas também redução no número de carros de passageiros e locomotivas, e mesmo onde avançou está muito longe do patamar que a indústria nacional já conseguiu atingir, segundo levantamento da Abifer (Associação Brasileira da Indústria Ferroviária). A previsão no início do ano era a de que o país fabricasse 40 locomotivas, 2.000 vagões de carga e 131 carros de passageiros, mas nenhuma das metas foi alcançada. Foram produzidas 29 locomotivas, 1.800 vagões e 72 carros de passageiros, segundo Vicente Abate, presidente da associação. E a culpa não é da pandemia do novo coronavírus, mas do momento enfrentado pelo setor mesmo. “Não [foi a pandemia], porque se tivesse mais volume, faríamos. Fizemos o que foi possível”, afirmou Abate. Depois de fechar com apenas 1.006 vagões produzidos em 2019 –pior ano desde 2002–, a meta era dobrar a produção, o que não foi possível. Nem mesmo o crescimento de praticamente 80% no total fabricado é visto como satisfatório pelo setor. “Ainda é baixo. Se pegar a média dos últimos dez anos, tirando 2019, dá 3.400 vagões e fechamos com 1.800. Embora perto da previsão [para o ano], é baixo.” E, diante de um mercado dominado por incertezas sobre quais investimentos sairão do papel nos próximos anos, o que esperar de 2021? Otimismo, diz ele. A indústria projeta fabricar 2.500 vagões, número ainda abaixo da média dos últimos dez anos, mas que sinalizaria uma tendência de curva ascendente. Para isso, o setor conta essencialmente com renovações de concessões ferroviárias, licitações feitas por governos estaduais e federal e compras do exterior. Por isso, a expectativa futura se baseia em projetos como o Trem Intercidades, ligando São Paulo à região metropolitana de Campinas, e a licitações envolvendo órgãos como a CBTU (Companhia Brasileira de Trens Urbanos). Já em relação às locomotivas, a meta é avançar também em 2021, produzindo 61, das quais 4 destinadas à exportação. O pior cenário na indústria envolve os carros de passageiros, ramo que em 2020 só concluiu um projeto de exportação para o Chile, com 72 unidades, e prevê apenas 43 neste ano. Desse total, 40 para serem exportados. “Só esperamos uma recuperação no mercado [de carros de passageiros] em 2022, mas aí virá forte, com metrô e exportações projetadas para Taiwan e Romênia. As concessões das linhas 8 e 9 da CPTM, previstas para março, devem ter uma concorrência muito grande, com expectativa de 36 trens no total. No metrô, temos sinalização de que em abril deverá ser lançado o edital. Estimamos 44 trens”, disse. A previsão de avanço na fabricação de locomotivas e vagões deverá fazer com que a ociosidade do setor, que chegou a ser de 90% em algumas plantas, caia para 75% (locomotivas) e 80% (vagões) neste ano. De acordo com ele, apesar disso o ano de 2020 mostrou que o transporte ferroviário e a indústria são promissores. “Não foram grandes volumes, é fato, mas diante das dificuldades a indústria se portou de uma forma dignificante. Não paramos, os transportes de cargas e de passageiros são essenciais e a indústria também se tornou.” * PRODUÇÃO FERROVIÁRIA NO PAÍS Carros de passageiros 2017: 312 2018: 312 2019: 99 2020: 72 2021*: 43 Vagões 2017: 2.878 2018: 2.566 2019: 1.006 2020: 1.800 2021*: 2.500 Locomotivas 2017: 81 2018: 64 2019: 34 2020: 29 2021*: 61 (*) previsão Fonte: Abifer (Associação Brasileira da Indústria Ferroviária)