Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,54 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,81
    +0,19 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.812,50
    -18,70 (-1,02%)
     
  • BTC-USD

    42.269,15
    +531,82 (+1,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    955,03
    +5,13 (+0,54%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,06 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.032,30
    -46,12 (-0,65%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,29 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.966,50
    -71,25 (-0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1880
    +0,1475 (+2,44%)
     

Indústria pesada do México embarca na onda de títulos verdes

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A indústria pesada do México agora é um pilar de uma nova tendência nos mercados emergentes, a venda de títulos atrelados à sustentabilidade, já que algumas das empresas mais poluentes do país tentam limpar sua pegada e evitar serem acusadas do chamado “greenwashing”.

Os títulos atrelados à sustentabilidade, ou SLBs na sigla em inglês - que impõem uma penalidade de juros a emissores que não cumprem metas ambientais específicas -, podem ter chegado há apenas três anos, mas já são o popular novo instrumento escolhido por empresas que procuram melhorar suas credenciais verdes e conseguir um preço melhor. Companhias mexicanas emitiram seu quarto SLB na semana passada: a fabricante de autopeças Nemak vendeu US$ 500 milhões em dívida. A gigante de cimento Cemex disse que também estuda uma possível emissão desses títulos.

Ao incluir metas e mecanismos específicos para o cumprimento das metas, emissores buscam tranquilizar investidores no crescente mercado de títulos ambientais, sociais e de governança, ou ESG na sigla em inglês, de que não estão tentando enganá-los. Ao mesmo tempo, o apelo desses títulos para a demanda investidores também pode ajudar a reduzir os custos de financiamento para emissores.

No caso da Nemak, o cupom do título aumentará em 25 pontos-base se a empresa não conseguir cortar as emissões de gases de efeito estufa em 18% em cinco anos. No entanto, os títulos já colhem benefícios: o preço de venda inicial mostrou rendimento de 3,625%, 37,5 pontos-base abaixo da estimativa preliminar e mais de um ponto percentual menos do que o cupom da última emissão de dívida comum da empresa em 2018.

Crédito mais barato

A maior demanda se traduz em crédito mais barato.

“Acreditamos que isso nos ajudou a acessar um universo mais amplo de investidores e, em última instância, a garantir termos mais atraentes do que teríamos de outra forma”, disse o CEO da Nemak, Armando Tamez, em entrevista após a emissão.

Empresas e governos do mundo todo emitiram um recorde de US$ 37,4 bilhões em SLBs este ano, segundo dados compilados pela Bloomberg. Até o final do ano, esse número pode chegar a US$ 150 bilhões, de acordo com Marilyn Ceci, responsável por mercados de capital de dívida ESG no JPMorgan Chase.

Ainda assim, as empresas e subscritores devem ser cautelosos para evitar o greenwashing, no qual uma empresa vende instrumentos ESG, incluindo SLBs, sem mudar de fato suas práticas operacionais, disse Robert White, diretor executivo do Natixis, que ajudou a coordenar a primeira emissão de SLB com a italiana Enel em 2019.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos