Mercado abrirá em 2 h 36 min
  • BOVESPA

    110.786,43
    +113,67 (+0,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.298,20
    -104,50 (-0,20%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,73
    -0,69 (-0,83%)
     
  • OURO

    1.786,20
    +1,30 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    66.440,50
    +2.397,16 (+3,74%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.562,56
    +81,76 (+5,52%)
     
  • S&P500

    4.536,19
    +16,56 (+0,37%)
     
  • DOW JONES

    35.609,34
    +152,03 (+0,43%)
     
  • FTSE

    7.198,43
    -24,67 (-0,34%)
     
  • HANG SENG

    26.017,53
    -118,49 (-0,45%)
     
  • NIKKEI

    28.708,58
    -546,97 (-1,87%)
     
  • NASDAQ

    15.347,25
    -30,25 (-0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4485
    -0,0711 (-1,09%)
     

Indústria de máscara nacional quer proteção contra concorrente importado

·1 minuto de leitura
*ARQUIVO* SAO PAULO, SP, BRASIL. 23.06.2020 - COVID 19 -  Instituto de Física da USP testa varias mascaras coletadas em São Paulo pela reportagem. Mascara 03  (foto: Rubens Cavallari/Folhapress)
*ARQUIVO* SAO PAULO, SP, BRASIL. 23.06.2020 - COVID 19 - Instituto de Física da USP testa varias mascaras coletadas em São Paulo pela reportagem. Mascara 03 (foto: Rubens Cavallari/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Com a perspectiva da redução no mercado de máscaras no pós-pandemia, fabricantes brasileiros do modelo cirúrgico começam a defender a proteção da indústria nacional para filtrar a entrada da concorrência estrangeira.

​O presidente da Abint (Associação Brasileira das Indústrias de Não-Tecidos e Tecidos Técnicos), Carlos Eduardo Benatto, diz que parte da capacidade instalada no país está ociosa enquanto o volume trazido do exterior ainda cresce.​

Um dos motivos é a queda na demanda nos Estados Unidos, na Europa e na Ásia, que já flexibilizaram o uso da proteção. Com isso, a indústria chinesa exporta em maior escala para outros países, como Brasil, que está com as alíquotas de importação reduzidas para itens contra a Covid.

"É uma decisão para tomar. Se a gente deixar a fronteira aberta, sem imposto de importação, nós vamos matar a indústria nacional. A gente tem tentado sinalizar para o governo tudo o que foi feito", diz Benatto.

O cenário é considerado crítico pelo setor, que também se queixa da pressão pelo aumento do principal componente de preço das máscaras, o polipropileno.​​

Benatto afirma que, antes da pandemia, 90% das cerca de 50 milhões de máscaras cirúrgicas consumidas no país eram importadas, mas a indústria nacional cresceu com a chegada do vírus, e hoje, o Brasil tem aproximadamente 150 fabricantes do produto, incluindo empresas de outros ramos que entraram para o mercado no pico da crise. A estrutura atual consegue fabricar 500 milhões de unidades por mês, segundo a Abint.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos