Mercado abrirá em 7 h 8 min
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,79 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,80 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,62
    +2,13 (+2,68%)
     
  • OURO

    1.673,20
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    19.189,56
    -158,56 (-0,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    435,95
    -7,48 (-1,69%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,09 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    16.918,60
    -304,23 (-1,77%)
     
  • NIKKEI

    26.062,68
    +125,47 (+0,48%)
     
  • NASDAQ

    10.985,25
    -50,25 (-0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3114
    +0,0035 (+0,07%)
     

Indústria farmacêutica quer alertar governo sobre corte no Farmácia Popular

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A indústria farmacêutica planeja levar ao governo sua preocupação com o corte no orçamento do Farmácia Popular, programa que distribui medicamentos gratuitos ou com desconto à população de baixa renda.

Nelson Mussolini, presidente do Sindusfarma, afirma que a retirada de recursos dos medicamentos que ajudam na prevenção de doenças pode sobrecarregar o custo do tratamento posterior com o agravamento da condição dos pacientes.

"Se não cuidar da hipertensão, o paciente pode ter AVC. Se não cuidar da diabetes, pode ter amputação. Uma pessoa que hoje é produtiva vai parar na Previdência. Em vez de ser contributiva, ela passa a ser beneficiária. Não manter esse tipo de programa é dar um tiro no pé", diz Mussolini.

Nas contas dele, o custo deve subir. "É um programa que com R$ 2 bilhões tira dos hospitais mais de 20 milhões de brasileiros", afirma.