Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    42.751,50
    -1.446,86 (-3,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

Indústria e varejo da China enfraquecem em agosto com problemas causados pela Covid-19

·2 minuto de leitura
Fábrica da Gree em Wuhan. China

Por Stella Qiu e Gabriel Crossley

PEQUIM (Reuters) - Os setores industrial e de varejo da China enfraqueceram em agosto com o avanço da produção e das vendas atingindo mínimas de um ano, uma vez que novos surtos de coronavírus e problemas de oferta ameaçam a recuperação econômica do país.

A produção industrial avançou 5,3% em agosto em relação ao ano anterior, depois de alta de 6,4% em julho e marcando o ritmo mais fraco desde julho de 2020, mostraram nesta quarta-feira dados da Agência Nacional de Estatísticas. A expectativa de analistas era de um avanço de 5,8%.

Os gastos dos consumidores também foram afetados pelo aumento de casos locais de Covid-19 e pelas enchentes, com as vendas avançando apenas 2,5% em agosto sobre o mesmo período do ano anterior, bem abaixo da previsão de alta de 7,0% e o ritmo mais fraco desde agosto do ano passado.

"O crescimento econômico desacelerou em agosto uma vez que o consumo foi prejudicado pelo impacto de surtos de Covid e o investimento permaneceu fraco", disse Louis Kuijs, chefe de economia para a Ásia da Oxford Economics.

"Enquanto isso, um novo surto que começou há alguns dias em Fujian apresenta riscos negativos a nossa previsão de aceleração do crescimento no quarto trimestre, depois de um terceiro trimestre fraco."

A segunda maior economia do mundo registrou uma forte retomada depois das perdas do ano passado provocadas pelo coronavírus, mas a força desacelerou nos últimos meses devido a gargalos na cadeia de oferta, escassez de semicondutores, restrições a indústrias poluidoras e ao investimento imobiliário.

No setor industrial as restrições à produção afetaram a produção de alumínio e aço, enquanto um forte corte nas cotas de exportação de combustível prejudicou a produção de petróleo da China.

Restrições sociais devido à variante Delta da Covid-19 em várias províncias afetaram os setores de hotelaria, alimentação, transporte e entretenimento.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos