Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.953,90
    +411,95 (+0,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.743,15
    +218,70 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    108,46
    +2,70 (+2,55%)
     
  • OURO

    1.812,90
    +5,60 (+0,31%)
     
  • BTC-USD

    19.184,76
    -49,49 (-0,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    420,84
    +0,70 (+0,17%)
     
  • S&P500

    3.825,33
    +39,95 (+1,06%)
     
  • DOW JONES

    31.097,26
    +321,83 (+1,05%)
     
  • FTSE

    7.168,65
    -0,63 (-0,01%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,10 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    25.935,62
    -457,42 (-1,73%)
     
  • NASDAQ

    11.610,50
    +81,00 (+0,70%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5587
    +0,0531 (+0,96%)
     

Indústria diz a Guedes que prevê R$ 340 bi de investimento no próximo governo

***ARQUIVO*** BRASÍLIA, DF, BRASIL 09.05.2022 - O ministro da Economia, Paulo Guedes, durante lançamento da plataforma digital Monitor de Investimentos no Ministério da Economia, em Brasília. (Foto: Gabriela Biló/Folhapress)
***ARQUIVO*** BRASÍLIA, DF, BRASIL 09.05.2022 - O ministro da Economia, Paulo Guedes, durante lançamento da plataforma digital Monitor de Investimentos no Ministério da Economia, em Brasília. (Foto: Gabriela Biló/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O ministro Paulo Guedes (Economia) almoçou nesta sexta (3) com os representantes da Coalizão Brasil, o grupo representante de 12 setores industriais com o qual se reúne periodicamente, e ouviu deles que existe uma previsão de investimentos de R$ 340 bilhões a serem realizados entre 2023 e 2026 pelo conjunto dos segmentos, segundo Marco Polo de Mello Lopes, que coordena a entidade.

Além de informar o ministro sobre a possibilidade de investimento para o período que abrange o próximo mandato, entretanto, os representantes dos setores falaram de abertura comercial e lamentaram o custo Brasil.

"Nós tínhamos um acordo com o ministro de que a redução do imposto de importação teria que ser feita em sintonia com a redução do custo Brasil. Nenhum setor é contra a abertura comercial. O que a gente é contra é que essa competição seja feita de forma assimétrica. Nós colocamos ao ministro que essa última rodada de redução foi feita sem observar o acordado", diz.

Segundo Lopes, Guedes respondeu que o atropelo provocado pelo movimento de redução do imposto de importação foi feito na emergência para tentar frear a inflação.

Participaram do encontro entidades como Abit (têxteis), ABCP (cimento), Abiplast (plásticos), Anfavea (veículos) e Interfarma (farmacêuticos).

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos