Mercado fechará em 3 h 48 min
  • BOVESPA

    117.528,68
    +330,86 (+0,28%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.251,79
    +405,96 (+0,89%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,10
    +0,34 (+0,39%)
     
  • OURO

    1.716,90
    -3,90 (-0,23%)
     
  • BTC-USD

    20.034,24
    +1,17 (+0,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    455,87
    -7,25 (-1,57%)
     
  • S&P500

    3.753,81
    -29,47 (-0,78%)
     
  • DOW JONES

    30.030,01
    -243,86 (-0,81%)
     
  • FTSE

    6.997,27
    -55,35 (-0,78%)
     
  • HANG SENG

    18.012,15
    -75,82 (-0,42%)
     
  • NIKKEI

    27.311,30
    +190,80 (+0,70%)
     
  • NASDAQ

    11.577,75
    -46,00 (-0,40%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1047
    -0,0315 (-0,61%)
     

Indústria da zona do euro tem contração em agosto em meio a cautela dos consumidores, aponta PMI

Fábrica da De Cecco em San Martino, Itália

LONDRES (Reuters) - A atividade da indústria da zona do euro encolheu pelo segundo mês em agosto, de acordo com uma pesquisa que mostrou que a demanda fraca impossibilitou que as fábricas conseguissem vender sua produção e por isso elas acumularam estoques de produtos acabados em um ritmo recorde.

Como em muitas outras partes do mundo, a Europa está enfrentando uma crise de custo de vida, e diante do aumento das contas de energia e alimentos muitos consumidores estão refreando em seus gastos.

O Índice de Gerentes de Compras (PMI) de indústruaa final da S&P Global baixou para 49,6 em agosto de 49,8 em julho, abaixo de uma leitura preliminar de 49,7 e da marca de 50 que separa o crescimento da contração.

O subíndice que mede a produção atingiu 46,5 de 46,3, mas marcou seu terceiro mês de leituras abaixo de 50.

"Os fabricantes da zona do euro relataram mais uma queda acentuada na produção em agosto, o que significa que a produção caiu por três meses consecutivos e aumenta a probabilidade de queda do PIB no terceiro trimestre", disse Chris Williamson, economista-chefe de negócios da S&P Global.

O subíndice de novos pedidos permaneceu bem abaixo da marca de equilíbrio, os estoques de matérias-primas aumentaram novamente, os atrasos de trabalho foram reduzidos e os estoques de produtos concluídos aumentaram a um ritmo recorde.

O subíndice de estoques de produtos acabados subiu de 52,5 para 53,3, o maior nível desde o início da pesquisa, em meados de 1997.

(Reportagem de Jonathan Cable)

((Tradução Redação São Paulo, 55 11 5047 2984)) REUTERS CMO